segunda-feira, 23 de março de 2009

PENSAMENTOS


Tem dias que o processo criativo entra em greve... Sento-me em frente ao computador, olho a tela branca do visor, um sinalzinho piscando como a me dizer: "pode começar a escrever". Mas, nada me vem à mente...branco e vazio como a tela a minha frente. Tento começar...Uma palavra - pausa- Mais uma... e mais uma...Eis que consigo formar uma frase e diante desta frase fico a meditar....e de repente como num lampejo as idéias começam a fluir e a escrita vem toda formatada em minha mente e ai torna-se fácil, fácil coloca-las na telinha. Foi assim com este texto que você está lendo.
Em tibetano, a palavra "chog shes", significa aceitação da vida simplesmente como ela é, isto é manter um relacionamento direto com nossas experiências sejam de alegria, medo, expectativas ou ressentimentos. "Chog Shes" é, portanto, a ausência de neurose, pois, quando estamos neuróticos, fazemos exatamente o contrário: rejeitamos a vida como ela é. Em geral, quando algo nos desagrada nossa primeira reação é dizer: "não acredito"!. Na tentativa de não sofrer, buscamos, sem nos dar conta, de métodos para nos anestesiarmos da frustração eminente. Alguns destes métodos podem funcionar temporariamente, mas quando somos tomados pela indignação estamos fadados a sofrer mais, pois estamos exagerando, pondo fogo no fogo das emoções que já estão fervilhando dentro de nós. Quando lidamos com as emoções tal como elas chegam até nós começamos a atenuar nossa visão neurótica da vida. O segredo está em não resistir ao que emerge em nós e, ao mesmo tempo, saber não adicionar algo a mais a esta experiência.
Mas não é tão simples assim, uma vez que fomos educados para sermos bons e eficientes e, por isso, aprendemos a ver nossos defeitos como inaceitáveis.
Não aprendemos a nos auto-acolher ou a termos compaixão de nós mesmos. Como não sabemos como lidar com nossos defeitos, passamos a rejeitá-los, e rejeitando a nós mesmos, rejeitamos a vida.
Podemos reconhecer que estamos nos perdendo quando exageramos nossas reações emocionais. Por exemplo, quando nos pegamos dizendo:" Eu não devia estar sentindo isso", "Não acredito que fiz isso de novo, "Que vergonha, nunca mais quero mostrar a minha cara". Se algo é visto como inaceitável, não tem reparo nem negociação. Então instintivamente escondemos e negamos estes impulsos inaceitáveis. Assim, mais uma vez nos afastamos de nós mesmos.
O medo de não ser capaz de lidar com a nossa sombra ou de sermos excluidos pelo outro, caso ele a veja, nos leva cada vez mais a negar nosso lado não desenvolvido. O que não combina com o desenvolvimento do nosso ego ideal, torna-se sombra. Neste sentido, na medida em que procuramos ser bons e fazer o bem, vamos reforçando uma imagem idealizada de nós mesmos. Desta forma, vamos criando polarizações cada vez mais distintas: " Sou assim e não assado". Vamos empurrando para longe de nós o que não somos e sem nos darmos conta, deixamos de cuidar de nossas sombras!
Por isso quando surgem os sentimentos inadmissíveis, temos oportunidade de encarar de frente o que, até então estavamos evitando.
Só quando aceitamos sentir o inadmissível, voltamos a ser "Um" em nosso mundo interno.
Dizem que Jung teria perquntado a um de seus pacientes: "Você prefere ser inteiro ou bom?".
Para refletir.

Gildo Póvoas

Nenhum comentário: