sexta-feira, 10 de julho de 2009

TRANSVERSALIZAR



Andei lendo um pouco dos comentários acerca da política da nossa terra. O que li gostei e, em havendo polêmica, agrada-me ainda mais. Não gosto de me meter no óbvio, por tudo que dele já se conhece. Tampouco gosto de me intrometer em mistérios, por tudo que ele nos surpreende. Mas vou dizer de Judite, assim mesmo com "te" - a prefeita que irrompeu com o feudalismo machista e se insurgiu como esperança para todos. Não que os homens que a antecederam não tivessem seus méritos, pois Bom Conselho não surgiu do nada, nem é fruto de produto de gênio com três pedidos, conforme contam as lendas. Muito do que está posto foi feito por gente boa, embora discorde de algumas correntes politiqueiras sustentadas até então. Mas Judite é simbólica. Judite só não pode ser mitológica, muito menos fazer milagre em tempo de crise financeira internacional.
Sou da Gestão do Prefeito João da Costa no Recife, desde a do prefeito João Paulo. Por isto mesmo sentimos o "BAQUE" da crise e podemos avaliar este viés. Como Diretor de RH da Secretaria de Saúde, temos como proposta hoje, aprimorar o que fizemos de crescimento. Dito diferente: a nossa rede cresceu muito no governo João Paulo, mas agora temos que mantê-la e garantir sua sustentabilidade na atenção a saúde da população em seus mais diversos ângulos. Estamos racionando tudo, trabalhando no aperto mesmo, pois a arrecadação de todos os municípios brasileiros caiu muito. O nosso crescimento, pelo menos por enquanto, só se dará quando da retomada da arrecadação nos níveis anteriores. Neste viés, Bom Conselho não seria diferente das demais cidades, muito menos Judite não sendo como não é, milagreira.
Portanto, concedamos um tempo a nós. Nossa cidade é linda, está limpa (estive aí em Janeiro) e vem mantendo os serviços básicos como deve. Claro que muita gente gosta de obras de pedra e cal. Isto é bom, mas sem a obra imaterial da auto-estima, do povo sabido, letrado, saudável, crente em Deus, pouco adiantam as pontes e os prédios.
A Perdigão está aí. Mas não é o apanágio para resolução de todos os nossos problemas. Há Perdidão demais querendo atrapalhar, é o que imagino. Porque não falta em todo lugar quem se interesse mais em botar gosto ruim, do que amolecer o doce da rapadura. Evidente que estes comentários não são calcados nos ilustres conterrâneos que opinaram sobre o assunto como José Fernandes e os demais. Este texto é isolado, apenas calcado no que imagino que passe uma prefeita de uma cidade como a nossa que talvez jamais imaginasse ter uma prefeita eleita. Fico imaginando: Cel. José Abílio e seguidores, do outro lado, devem estar pasmos com esta nova Bom Conselho. Digo nova, porque deter o título de "CIDADE DAS ESCOLAS", ser comandada por uma MULHER, DISPOR DE tanta gente ilustre esnobando conhecimento por este Brasil afora, não é mole. Portanto, amigos, espero que tenhamos mais complacência com a gestão. Afinal, Judite é legítima pois foi eleita por todos; é mulher, é inteligente, é determinada, é humana. Como humana, pode cometer equívocos. E, se como política, não for bem o que esperávamos, eleição tem de 4 em 4 anos e a gente DÁ O TROCO. É parte do jogo democrático.
Penso que o segredo de qualquer gestão esteja na forma de administrar. Preferencialmente sob forma de colegiado, democraticamente, fazendo com que os menos favorecidos tenham mais oportunidades na escola, na educação e no emprego. Mas sem discriminar ninguém, pois ao se eleger, o político passa a governar para todos. Transversalizar - esta é a palavra que nenhum político hoje deve esquecer. Transversalizar interna e externamente, saindo para captar recursos nos diversos níveis de governo e envolver a população nesse processo. Mas isto é bom de dizer, mas dá trabalho para fazer. Penso que Judite não tem medo de trabalhar.

Carlos Sena - csena51@hotmail.com

Nenhum comentário: