sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Os Contrastes da Vida (Mel e Fel)



A vida é feita de contrastes. Ela é como uma mesa de vários sabores, não apenas diferentes, antagônicos também. Na verdade, os contrastes fazem parte da nossa vida.

Assim é o nosso quotidiano, um encontro de contradições, uma grande encruzilhada. Mel e fel sobre a mesma mesa. Ora doce, ora amargo e, não raro, doce e amargo ao mesmo tempo. Com freqüência, uma oscilação entre alegria e tristeza, esperança e desespero, prazer e dor. São essas alternâncias que melhor refletem o cronograma da nossa existência.

Vista por este prisma, a vida parece uma grande incoerência. Uma insensatez. Por que temos que conviver com tantos contrastes? Os contrastes da vida possuem sua dimensão pedagógica ao permitir que provemos de paladares tão díspares: a doçura do mel e o amargo do fel. E somente pela oposição de duas coisas, que uma delas se define.

A diversidade enriquece a vida. Se tudo ao nosso redor fosse somente mel, logo, a nossa existência ficaria enfastiada. O tédio é a doença da fartura. A vida fica sem graça quando tudo é muito fácil. O sábio Salomão escreveu com muita propriedade: ”Comer muito mel não é bom.”

Outra vantagem na diversidade dos sabores da vida, é que sendo mel e fel, ela é uma encruzilhada diante da qual somos levados a escolher caminhos. Vida é opção. O homem é responsável pela opção que faz, e não Deus. Deus põe em nossas mãos a receita, aceitá-la ou rejeitá-la é uma decisão nossa.

Na vida humana, o fel vem de dentro. De dentro do homem, pois ele é produzido pelo próprio homem. São os seus pensamentos negativos, os sentimentos mesquinhos, as atitudes danosas à vida. É quando o coração transforma-se numa bolsa de fel, tal qual o fígado segregando a bílis.

Para drenar o coração é preciso saber escolher entre o mel e o fel, entre o doce e o amargo. Esse equilíbrio é que dará a dose exata dos sabores da vida. EIS A GRANDE ENCRUZILHADA DA NOSSA EXISTÊNCIA.

Maria Caliel de Siqueira - mcaliel@hotmail.com - João Pessoa - PB

Nenhum comentário: