sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Diálogo com JK sobre as Religiões



RL: Amigo JK, estava aqui deitado em uma rede......refletindo sobre a vida, procurando reorganizar umas idéias, então, resolvi ativar nossa “rede de conversações”, por isso aqui estou.

No universo que se define como Religião são encontradas várias crenças e filosofias. As crenças contemplam a existência de um princípio superior e de seres sobrenaturais, que teriam o poder de determinar e/ou influenciar o destino dos seres humanos. Derivam dessas crenças Deus(es), semideuses, anjos, demônios, santos, etc., bem como um conjunto de rituais e códigos morais. As filosofias, por sua vez, dispensam as divindades e se voltam para o desenvolvimento de valores morais, códigos de conduta e sentido cooperativo nos relacionamentos.

Quando buscamos a etimologia da palavra Religião, encontramos que ela deriva dos vocábulos religio e religare (“religar”, “ligar com”, “ligar novamente”). Vários significados são sugeridos: poderia significar a tentativa humana de "religar-se" a suas origens, a seu(s) criador(es), a seu passado; ou, restabelecer a ligação perdida com o mundo que nos cerca ou com o nosso interior. Para o amigo JK, o que é religião?

JK: “Quer uma resposta de mim, ou prefere descobrir por si mesmo?

RL: Amigo compartilhador, como você sabe, nasci católico, participei de movimentos espíritas, fui membro da Sociedade Teosófica (Teosofia: corpo doutrinário que sintetiza Filosofia, Religião e Ciência), fui estudante da Fundação Logosófica por vários anos (Logosofia: doutrina ético-filosófica). Abandonei tudo isso. Mas, ainda, continuo buscando um sentido pra vida, assumi a tarefa de conhecer a mim mesmo e isso tenho feito ora solitáriamente, ora dialogando com os amigos que se dispõe a compatilhar compreensões e experiências. Por isso quero lhe ouvir, é hora de experimenar o seu “sapato”.

JK: “Para descobrir o que é verdadeira religião, você precisa afastar tudo o que estiver no caminho dessa descoberta. Se você tem muitas janelas coloridas ou sujas e quer ver a clara luz do Sol, precisa limpar ou abrir as janelas, ou sair de casa. Da mesma forma, para descobrir o que é verdadeira religião, você deve primeiro ver o que a verdadeira religião não é, e pôr isso de parte. Então poderá descobrir, porque, então, haverá percepção direta. Vejamos pois o que não é religião.
Fazer ‘puja’, cumprir rituais – isso é religião? Você repete muitas e muitas vezes um certo ritual, um certo ‘mantram’ em frente de um altar ou de um ídolo. Isso pode lhe dar uma sensação de prazer, uma sensação de satisfação; mas será isso religião? Vestir uma roupa sagrada, intitular-se hindu, budista ou cristão, aceitar determinadas tradições, dogmas, crenças – tem tudo isso algo a ver com religião? Obviamente não. Por conseguinte, a religião deve ser algo que só se poderá encontrar quando a mente tenha entendido e descartado isso tudo
”.

RL: A caminhada que acabei de referir me proporcionou ter descartado tudo isso, pode prosseguir.

JK: Religião, no verdadeiro sentido da palavra, não traz separação, não é? Mas, que acontece quando você é mulçumano e eu cristão, ou quando eu creio numa coisa e você nela não crê? Nossas crenças nos separam; portanto, nossas crenças nada têm a ver com religião. O fato de crermos ou não em Deus tem pouca significação; porque aquilo em que cremos ou em que deixamos de crer é determinado por nosso condicionamento, não é verdade? A sociedade em torno de nós, a cultura em que somos criados, imprime em nossas mentes certas crenças, certos medos e superstições a que chamamos religião; mas que nada têm a ver com religião. O fato de você crer de um modo e eu de outro depende, em grande parte, de onde tenhamos nascido, se nascemos na Inglaterra, na Índia, na Rússia ou na América. Assim sendo, crença não é religião, é apenas o resultado de um condicionamento.

RL: De fato, refletindo sobre essa sua manifestação não é necessário ir muito longe para concordar com ela. Mesmo assim, as Religiões continuam atraindo milhões de seres que buscam “algo” além da sobrevivência física, por quê?

JK: “Há, além disso, a busca da salvação pessoal. Quero estar seguro; quero atingir o ‘Nirvana” ou alcançar o céu; preciso encontrar um lugar junto de Jesus, junto de Buda ou à direita de algum deus particular. Sua crença não me dá satisfação profunda, conforto; por isso tenho minha própria crença. E será isso religião? Sem duvidam nossas mentes precisam estar livres de todas essas coisas para podermos descobrir o que é a verdadeira religião.

RL: Então, para o amigo, o que é a verdadeira religião?

JK: “E será a religião simplesmente uma questão de fazer o bem, de servir ou ajudar os outros” Ou será mais que isso? O que não quer dizer que não devamos ser gênerosos ou bons. Mas será só isso? Religião não será algo muito maior, muito mais puro, vasto, expansivo do que qualquer coisa concebida pela mente?
Assim, para descobrir o que seja a verdadeira religião, você precisa investigar profundamente todas essas coisas e libertar-se do medo. É como sair de uma casa escura para a claridade do Sol. Então você não perguntará o que é a verdadeira religião; você mesmo saberá. Haverá experiência direta daquilo que é verdadeiro
.”

RL: Obrigado amigo JK, vou fazer a minha parte: vou investigar tudo isso, reorganizar minhas idéias e caminhar SEM MEDO.

Roberto Lira - rjtlira@yahoo.com.br
-----------------------
OBS.: As manifestações de JK foram retiradas do livro “O Verdadeiro Objetivo da Vida”, editora Cultrix, pgs. 98 e 99.

Nenhum comentário: