domingo, 17 de janeiro de 2010

O 10º Encontro - Na Prefeitura



Praticamente o 10º Encontro de Papapaceiros começou no dia 13 de janeiro. É justo dizer que a Prefeitura vem fazendo bem o seu papel de apoiadora das atividades privadas, como deve ser. Recebeu um grupo de papacaceiros bem conhecidos. Tentando continuar com a justiça, penso ter sido o grupo muito mais bem diversificado e representativo do que o do ano passado.

Aqui em Belém, todos o bom-conselhenses, e mesmo o Cleómenes que já se traveste com tal, ficamos só na saudade. Depois que eu avisei que as fotos estavam chegando, tenho certeza muitos pararam de trabalhar, neste aprendizado louco mas necessário para o futuro da CIT. Resolvemos então ver juntos a cobertura do SBC, que, por este início, deve ser maravilhosa, deste já grande evento em nossa terra.

Sobre o encontro com a prefeita, o Cleómenes já se manifestou:

- Como faz falta o Blog da Gazeta. Tenho certeza que lá estariam nomes, comentários e até falas dos participantes. A informação então seria perfeita. Sómente com as fotos, parece até cinema mudo sem o Charles Chaplin.

Entretanto, por agora, é o que temos. Vamos espiar, como diz o péssimo programa da Globo, o tal do Big Brother, que agora está explorando o mundo gay, pensando que ser gay é fazer "palhaçada".

Antes de qualquer comentário, devo dizer que, ao falar de alguém, que vi nas fotos, não necessariamente conheço ou conheci pessoalmente. As vezes sim, como a Ciba, tia da prefeita, irmão de Edgar Alapenha que poderia figurar, com todo respeito, na galeria de homens bonitos da terra, junto com o Seu Clívio e o Leninho. Às vezes não, como por exemplo, do Pedro Ramos, nunca nos encontramos, conheço apenas dos sites e jornais que nos cercam, ele está sempre lá. Outras vezes, quando o assunto é importante, falo com minhas fontes, que estão em todos os lugares, inclusive nos Pacachaceiros.

No encontro com a prefeita, todos “despojadíssimos” em termos de vestuário. Só faltou o Gildo Póvoas com sua calça Capri. Mas, é como convém a uma festa cada vez mais popular, graças a Deus. O Luiz Ramos, “chiquérrimo”, com o modelo Toritama que o Eduardo usou em visita recente. Mas com uma alpercata branca, que o tornava um modelo perfeito para este tempo de calor humano e natural em nossa terra. Penso nunca ter falado com o Luiz mas já o vi em remotas eras. Lembro de um fato, e espero não o estar confundindo com outra pessoa. Ele não morava em Bom Conselho antes, mas quando chegava lá, todos sabiam, ele vinha num fusca, buzinando desde a entrada da cidade até chegar em casa, eu penso. Minha mãe dizia:

- O Luiz Rodeira chegou!

Até hoje não sei o porquê do apelido. Será porque ele sempre foi “rechonchudinho”?
Algumas pessoas eu não conheço. E peço ajuda da turma de Belém. Por exemplo, quem é aquele de chapeuzinho tipo Alcimar Monteiro e que toca piston? O Diretor Presidente me auxilia:

- Não é o Pedrinho? Parece que é irmão de Zé Povoas. É o melhor pistonista do Trio Papacaceiro. Eu confesso que o Trio seria melhor se tivesse um trombone. Será que alguém em Bom Conselho ainda toca trombone, como Mané Guadêncio?

As fotos passam em nossas vistas e a memória funciona como uma locomotiva a vapor. Não conheço pessoalmente o Carlos Sena, em seu bermudão indefectível, apesar de morarmos na mesma cidade. Mas não é culpa dele. São meus afazeres domésticos que completam minha dupla jornada, tão comum às mulheres, agora com o meu neto. Como diz meu filho mais novo: “Escreve paca!”

As fotos até parecem revelar o momento da chegada de minha amiga Ana Luna. Como fiquei triste em não poder conhecê-la pessoalmente. Tem nada não Ana, um dia... Vi que trouxe o Reis, seu marido. Vi a Bia Ferro rondando por aí. Ano passado ela disse que iria explorá-lo mais este ano. Ana, atentai bem! Mil beijos para você e para o Reis. E não poderia jamais deixar de dizer: Seu “modelito” humilhou!

A prefeita sempre bela com um modelo básico, sóbrio, esbanjando elegância, ao contrário do filho Felipe, com uma camisa muito “cheguei”, mas é da idade. Estamos aguardando seu bons artigos.

Eu fiquei intrigada com as fotos das rosas vermelhas. Como ela surgiram ali? É uma pena que ainda não tenhamos a Gazeta On line. Luis Clério e Jodeval, apressem-se pelo amor de Deus. Apesar de uma bela cobertura do SBC, faltam letras nela.

Voltaremos quando o nível de emoção abaixar, estão chegando novas fotos. Mas, antes de terminar, perguntar não ofende: “Onde estava o Quirino?”

Lucinha Peixoto (e a Turma de Belém) – lucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: