sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O ANDARILHO E OS GAYS



Nestas idas e vindas ao SBC, para ver o Grande Encontro, num dia fatídico, encontrei uma nota no Mural, na qual o Etiene, nosso conterrâneo, dizia que o Andarilho, o ectoplasma errante, voltara com força e inclusive o elogiando como poeta. Como sei que o Etiene é um homem sério, fui conferir e, depois de meses sem o fazê-lo, adentrei sua (do Andarilho) coluna. Quando fui lá pela última vez ele havia prometido só voltar depois das eleições. Fiquei feliz e guardei meu pote de água benta. Ledo engano. Ele se arrependeu e voltou.

Em princípio, pensei: Como apenas eu, o Etiene e o Pedro Ramos lemos sua coluna, não tem problema, somos adultos e vacinados. Entretanto, quando vi a carga de preconceito embutida em alguns dos seus escritos, choquei!!! Já pensou se outras pessoas lêem e pensam que é coisa séria?

Num deles, ele baixou em Caldeirões para propor, blasfemando com o nome de Santa Madalena, uma moralidade diferente para as mulheres orientando-as a viver “como Damas que sirvam de exemplo para a juventude, para as normalistas que olham ao derredor, buscando bons espelhos para se moldarem, e muitas vezes não encontram.” Eu só comento isto pelo local do terreiro onde ele baixou: Caldeirões dos Guedes, pois neste dia se pela sua barragem corressem asneiras ou asnices o distrito teria seu primeiro dilúvio.

Entre tentativas de poesia e cópias de revistas semanais, ele ataca de novo, destilando preconceito por todos os lados, contra o movimento gay. Com o título: SODOMA E GOMORRA BEM ALÍ... - PARA ONDE VAMOS? Onde conta uma experiência que teve em Salvador com sua família. Para mim é uma surpresa que ele ande tanto pelo mundo e ainda tenha família. Mas, devo dizer que o que me importa não é o que O Andarilho é, pois nunca saberei, e sim o que ele escreve, que eu e mais duas pessoas ainda lêem. Pelo que ele escreve eu tenho é dó dos seus filhos, se estiver sendo sincero, ninguém merece um pai assim tão preconceituoso.

No texto abaixo, que encontrei em jornais antigos de Salvador, encontramos algo que parece até ser uma paráfrase do artigo do Andarilho. Como sempre gostei de paráfrases, o transcrevo completo. Ele extravasa uma carga enorme de preconceito, que graças a Deus, A Lei Afonso Arinos começou a debelar em nosso país, punindo aqueles que se retiravam de restaurantes quando entrava algum escravo alforriado. Hoje o Andarilho se levanta quando dois homossexuais namoram, dando um péssimo exemplo aos seus filhos, pelo preconceito existente no ato de ir embora por um gesto de carinho, e ainda o chama de “bom senso”. Até quando, meu Deus...

Devo avisar que a Lei Caó já estende a Lei Afonso Arinos para o caso de sexo, e se não envolver o movimento gay, brevemente lançarei a Lei Lucinha Peixoto, que deverá envolver esta minoria tão discriminada. E agora sei, porque foram compositores bahianos que compuseram a música Haiti, cuja letra publicamos recentemente (http://www.citltda.com/2010/01/o-haiti-e-aqui.html). É porque, em Salvador, ainda devem existir outras pessoas como O Andarilho. Vamos ao artigo.


ÁFRICA E O PELOURINHO BEM ALÍ... – PARA ONDE VAMOS?

As pessoas querem liberdade (e é certo desejá-la), mas será que as pessoas estão sabendo conviver com a liberdade?
Onde esqueceram os limites?
Onde estão delineados os limites?
VALE TUDO?
Onde ficam as crianças...?
Se pode tudo!
Soltem os pedófilos, os criminosos, os corruptos, os desviados.
É hipocrisia querer um mundo melhor e permitir tudo, diante de todos sem distinção.
Fui a um restaurante que fica localizado na Pituba em Salvador, lá cheguei aproximadamente às 20:30hs, estava tudo muito bem, um ambiente limpo, organizado, pessoas em suas respectivas mesas conversando, um pouco atrás da mesa em que eu, minha esposa, filho e filha (menor) ficamos, havia dois rapazes, tudo corria normal, daqui há pouco minha filha comenta: "pai! Chegaram dois homens pretos!" - Olhei rapidamente achando que seria um engano, ou ela estaria confundindo e seria uma mulher pintada de preto e seu namorado. Não! não era, eram dois "marmanjos"...Perdi a graça, o que eu podia dizer a minha filha menor? Não sei! Posso até saber o que diria se ela fosse madura, não tivesse em idade de formação etc mas dizer a ela que é normalíssimo, que é moderno, que é bonito...Para agradar os simpatizantes, não poderia dizer e nem vou dizer.( Cada macaco no seu galho) Só me restou pedir a conta e me retirar.
Isso é preconceito?
Não acho que seja, é bom senso.
Se o restaurante permite pessoas desse tipo, deveria ter um aviso que ali vale tudo, ou pelo menos avisar a quem chega com crianças que é possível chegar clientes dessa tribo de alforriados e tudo pode...
Quatro cinco dias se passaram...
Liguei o rádio e estou na sala, entre jogando ludo com minha filha e ouvindo o rádio, daqui há instantes, escuto a abertura do BBB (Bongo, Bingo e Bungo), as apresentações etc e de repente corro para desligar o rádio, tirar a filha da sala, administrar o caos educacional...Na rádio duas vozes lindas: Uma dizendo que se casaria indiscriminadamente com um negro alforriado...Outra dizendo que prefere namorar negros...e outro se apresentando como ser negro com muito orgulho e os pais declarando apoio.
Fiquei ressabiado.
No outro dia: No Pelourinho Jornal, o resultado dos lances do BBB e fotos...Entre elas, a da cena dos dois negros alforriados trocando selinho.
Afinal, pensei: Para onde vamos? Ou para onde queremos ir?
Lembrei que há alguns anos atrás, apenas determinados cinemas podiam exigir cenas fortes, de protituição etc lembrei até de alguns títulos; GARGANTA PROFUNDA - BONITINHA MAIS ORDINÁRIA , A ESCRAVA ISAURA, O NEGRINHO DO PASTOREIO todos assistidos por mim, etc Só maiores podiam entrar, e essas salas de exibições eram consideradas salas suspeitas.
QUE INOCÊNCIA DAQUELES DIAS...
Hoje, o rádio concorre diretamente com os mais sujos bordéis, e ainda testemunhamos declarações de pais e mães dando apoio.
Preconceito?
NÃO!
BOM SENSO.
Pois essas condutas deveriam ser vividas de forma discreta, já que é uma opção pessoal dessas pessoas conviver com negros alforriados, vivam suas opções. Mas, DISCRIMINAR as famílias, jovens e crianças, EMPURRANDO GOELA ABAIXO todo tipo de hábitos, vícios e costumes desta negrada... Só mesmo considerando que atualizaram a ÁFRICA E O ABOLICIONISMO e a aplicação é obrigatória.
No Colégio Central da Bahia, é comum encontrar menores de idade pelos corredores, se se confraternizando com meninos pretos entre outras situações mais fortes e sem limites, como o namoro entre as raças, isso deriva das informações colhidas nos bordéis radiofônicos, nos desfiles de carnaval sem limites, na safadeza geral da nação.
É uma pena, uma lástima! Pois sabemos que muitas pessoas estão tolhidas, encurraladas com as armadilhas do 'POLÍTICAMENTE CORRETO", e as famílias sendo dizimadas pelos costumes ABOLICIONISTAS que grassam mundo afora.
Boas reflexões!
Brasil, 14 de janeiro de 1910

THE ANDARILHO’S FATHER

Pela data, pode ter sido mesmo o pai do Andarilho, ou talvez não. Só quem acha que ser preconceituoso é genético é o Cleómenes, eu penso que é cultural, e também falta de uma boa educação doméstica. A situação em 1910, com os negros, era a mesma com os gays de hoje. Tenho certeza que nem mesmo o Andarilho deixaria um restaurante hoje porque alí estavam pretos. O que espero é que os filhos dele, quando crescidos, não hajam igual ao pai hoje. Hitler, que se levantou do Estádio porque o vencedor era um negro, teria a mesma atitude que o Andarilho teve em se levantar do restaurante. Este seria o belo exemplo de educação que ele iria deixar para a humanidade, se o nazismo vencesse, é o que O Andarilho quer deixar prá seus filhos.

Por via das dúvidas, revigorei meu estoque de água benta.

Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: