quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O Haiti é Aqui...



Hoje, quando abri meu computador aqui em Belém, como sempre, ele vai para uma página onde estão as notícias. Vivemos de informação. Li alguns jornais, e fui ficando triste. Haiti, Haiti, Haiti.... parei, e fui ao Blog da CIT. Lá estava o artigo de Zé Andando e Eliúde, segundo esta última já programado com antecedência. Minha mãe dizia, e agora vejo que tinha razão: “notícia ruim anda rápido”. E a notícia do terremoto no Haiti, correu tão rápido que pegou todos nós da CIT de calças curtas.

Até Lucinha fez uma nota jocosa sobre o terremoto em Recife. Talvez, o Cleómenes quizesse escrever outra coisa, mas não o fez. Eu não tive tempo de escrever sobre. Como marcar esta data com a tristeza que ela merece? Lembrei então de uma música do Caetano Veloso: Haiti. Nós da CIT, consternados com o que lá aconteceu, homenageia o bravo povo daquele país citando o poema do Caetano, que é a letra de sua música:


Quando você for convidado pra subir no adro
Da fundação casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos e outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico,
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
E na TV se você vir um deputado em pânico mal dissimulado
Diante de qualquer, mas qualquer mesmo, qualquer, qualquer
Plano de educação que pareça fácil
Que pareça fácil e rápido
E vá representar uma ameaça de democratização
Do ensino do primeiro grau
E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
E nenhum no marginal
E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual
Notar um homem mijando na esquina da rua sobre um saco
Brilhante de lixo do Leblon
E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo
Diante da chacina
111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos
Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres
E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos
E quando você for dar uma volta no Caribe
E quando for trepar sem camisinha
E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui


Sem querer discutir se o Haiti é aqui ou não é aqui, rezemos ou torçamos para que não hajam mais Haitis.

Diretor Presidentediretorpresidente@citltda.com

Nenhum comentário: