segunda-feira, 15 de março de 2010

Pitacos (in)devidos




Eu disse ao Diretor Presidente da CIT, que iria comentar um texto dele, publicado neste blog, no dia 28.2.2010. O DP não me pediu nenhum pitaco sobre seus escritos. Mas, de enxerido que sou, fico nessa de meter a colher no angu dos outros. Por isso, qualquer dia vou ser pegado pelo pé, por esse tal de Ibama, que anda se metendo com os papagaios dos outros. Vejam vocês que o Ibama, querendo dar uma de fiscalizador do meio ambiente, achou de aplicar multa de cinco mil reais, numa pobre mulher que só queria ter o periquito junto dela.

Aqui, já comecei a tergiversar. E quem diz que vai comentar uma coisa, não tem que se meter com papagaios e periquitos, porque, se não, dá o maior rebu. Pensando assim, os sábios aconselham fazer uma coisa a cada vez. Se quiser fazer direitinho.

Pois vamos lá: o DP pediu desculpas aos colegas da CIT, por tê-los chamado de péssimos escritores (sem aspas). Quem pede desculpas, demonstra humildade. Mesmo quando a falta não é grave. E se houve falta na frase do DP, esta não foi grave. Nós entendemos que foi uma brincadeira que aflorou num ambiente sadio, e que não magoou ninguém. Isso é o que eu penso; se bem que todo penso é torto.

Mas, para provar que foi uma tirada de brincadeira, somada ao ímpeto do escritor, a Eliúde já veio danada pra Catende, escrevendo e publicando a sua crônica "O baba ovo", cheia de jocosidades. Ascenso Ferreira que se cuide. Já que a Eliúde é exímia nas letras, como vem demonstrando a cada investida nessa paróquia, os escritores e escritoras que botem as suas barbas de molho. (Por Deus, não confundam essa paróquia, com a paróquia de dom Dedé, o vingativo).

Quanto ao professor Zé Andando, é fato que nós concordamos com o Lula, se bem que discordemos do acordinho pornográfico, que chamaram de reforma ortográfica, pra inglês ver. E, neste instante, prefiro não me lembrar das palavras do Lula, com respeito ao grande Orlando Zapata. Feliz ou infelizmente, o Zapata era muito menor, em poderio político, do que o Fidel, el gran comandante de Cuba. Aliás, ex-gran comandante. Porque o Fidel já está gagá. Mesmo assim, botou outro gagá em seu lugar, o mano muy democrático Raul. Este, não é o Alfonsín, mas é muy democrático também. Y haya democradura en Cuba libre!

Mas, sem tergiversações, volto ao episódio em que escapou inteira a mesa da CIT, onde o pessoal se sentou para discutir "relações". Graças aos bons ventos, não quebraram nem as pernas da mesa, nem a própria. E nisso aí, o Zé Andando foi cruel. Botou o dedo na ferida e cutucou. Não sei se o Zé insinuou ou se disse com todas as letras que, quem senta sem ser em pessoa, são fantasmas, coisas do além. Todavia (eu sempre me metendo em todas as vias). É um costume danado esse meu. Mas, como ia dizendo e não disse por causa das vias, eu não acredito, nem tenho medo de fantasmas.

De outro modo, essa do Cleómenes ter ficado em Belém, foi uma boa pra ele. Pois além de embolsar uns tantos milhões de reais por semana, ainda se diverte com as nossas mal tecladas linhas. O mundo é dos vivos, porque os heróis estão nos cemitérios.

Quanto à Lucinha ser beata, peço licença pra discordar do DP. A Lucinha é religiosa consciente. Quando as coisas negativas maculam a igreja dela e contraria a sua linha de pensamento, ela bota a boca no mundo. E saiam da frente, porque ela fala com segurança e sem medo! Mas, que deve ter beatos e beatas em Bom Conselho, batendo com os chifres uns nos outros, assim como tem em todos os cantos, ah, isso tem. Não me sobra a menor dúvida quanto a essa beataria aloprada.

E por falar em todos os cantos, lembrei-me de uma poesia que assim começava: "Bahia de Todos os Santos / Tem puta por todos lados e cornos por todos os cantos". Mas isso era só uma brincadeira de moleques da minha juventude, pra tentar tirar o bom humor dos colegas baianos. Só que por mais que a gente cantasse esses versinhos, os nossos bons colegas baianos, não estavam nem aí. E o mais que faziam era dizer um palavrão e nos mandar para aquele lugar. Numa boa! Baiano é como os antigos carros a álcool, não esquentam fácil (facilmente).

Outra coisa que não pegou bem, foi o DP botar o Galvão Urubueno nessa história. Porque o Urubueno grita mais do que arara no cio. E os seus berros são de mau agouro. Se a CIT já tem várias coisas alinhavadas e em estado avançado, viva. Porque as falas do Galvão Urubueno já estão em estado avançado de putrefação.

Porém, o que me deixou mais emocionado, foi saber que a minha "Poesia com nome...", varou o mundo e foi aportar na Praça Sáens Peña. E lá encontrou um bom-conselhense querendo se suicidar, pulando do chão para o chão. Disse o DP que, lendo a poesia pra Marina, o conterrâneo desistiu da morte iminente. Contudo, eu penso diferente: o desgosto do nosso amigo, foi por ver a descaracterização daquela praça que, por tantos e tantos anos, concentrou grande parte da cultura e da beleza do Rio de Janeiro. A Tijuca e sua saudosa praça, com seus suntuosos cinemas, disputava e ganhava da Cinelândia, no centro do Rio. E hoje, a praça está muito mudada, abrigando inúmeras igrejas evangélicas. Onde foi o Cine Carioca, agora está instalada a igreja universal do reino de Edir Macedo. Vejam que contraste!

Agora, sobre a Lucinha Peixoto me agradecer por isso ou por aquilo, ela pode continuar no seu necessário descanso, porque só em saber disso, eu já senti os agradecimentos da Lucinha. Quanto a ela se utilizar da poesia para fazer a campanha da estimada Marina Silva, nem precisa mais pedir autorização. Já está autorizada, porque a Marina candidata merece muito mais. Eu não uso aquela poesia na campanha da Dilma, porque sei que aí não casa Zabé com Tomé. A companheira Dilma Russa está muito longe do perfil suave da Marina Silva. Portanto, sei que ela não quer louvação com poesias. Ainda mais uma poesia que exalta a Marina. Aí a nossa Dilma iria ficar muito puta (da vida)! Não que fosse ser puta da vida fácil. Ah, isso não cabe na minha candidata, não. Mas me alegra saber que há eleitores para a Marina Silva, pois ela é uma grande mulher, curtida nos sofrimentos dessa Vida Severina.

Para não mais me alongar, aviso ao DP que ele também não tem por que me agradecer. E que a forma da postagem, foi ótima. Mais: pode chamar-me de Zé, que não há nenhum problema. Não corremos o risco da reportinha do Jânio Quadros. Nem de longe, nem de perto. Sou vacinado contra homem. E imagino que o DP também o seja. E, quanto ao título que você usou, meu Caro Diretor Presidente, caiu bem que só. Foi salpicos pra todos os lados. Seria ruim se você houvesse mudado o título pra perdigotos.

Nos mais, ficam aqui registrados os meus mais sinceros agradecimentos ao Diretor Presidente, extensivos a todos os que compõem e tocam a CIT. Também não confundam tocar a CIT, com tocar cítara. - Aí também, é demais também, como dizia o cumpade Amarílio, lá na Parmera dos Índios. É isso./.

José Fernandes Costa - jfc1937@yahoo.com.br

Nenhum comentário: