terça-feira, 13 de julho de 2010

Bom Conselho: "Pedras" na Saúde



Hoje recebemos um e-mail do Blog de Bom Conselho Papa-caça. Não sabemos quem escreve ou administra aquele meio de comunicação, e todos nós aqui concordamos que isto não é tão importante, desde que haja responsabilidade naquilo que se transmite. Afinal de contas, vivemos em sociedade e não podemos sair por aí jogando “pedras” para cima mesmo que, na queda, elas se transformem em pétalas de rosas, pois pode haver alguns transeuntes alérgicos a esta tão bela flor. O importante para nós é que aquele que jogue a “pedra”, se causar algum mal, arque com as consequências do seu gesto.

Continuando com a alegoria da “pedra”, sendo leitor do referido Blog, apesar de seu viés oposicionista, algumas “pedras”, por ele atiradas, me pareceram bem intencionadas em prol da nossa cidade. Não temos elementos para julgar toda a veracidade de todos as “pedras” jogadas. E a condição que eu me imponho para escrever sobre elas é que elas, quando transformadas em informação, sejam verdadeiras. Espera que a distância não vá me impedir de fazer comentários, que também são “pedras”, úteis para nosso povo.

Foi a seguinte o conteúdo do e-mail, que também é uma postagem do referido Blog (http://bomconselhopapacaca.blogspot.com/2010/07/saude-publica-municipal-novamente-em.html):

“Em entrevista ao Programa Rota 1470, apresentado pelo repórter Geninho
Tavares, na Rádio Papacaça AM 1470, na manhã de hoje, uma senhora
denunciou a negligência dos médicos de plantão que deixaram de atender
seu filho porque estavam assistindo ao jogo do Brasil e Holanda. O
rapaz que teve o atendimento recusado por médicos, foi atendido apenas
por enfermeiros que aplicaram uma medicação para aliviar a dor e o
mandaram para casa. O rapaz que estava com infarte e não foi
devidamente atendido e medicado acabou falecendo. Outras notícias
denunciam o péssimo atendimento médico com casos de pessoas que não
são atendidas ou levam horas de humilhação e sofrimento para serem
atendidas de forma grosseira. O comportamento dos profissionais da
área médica acabaram por causar a revolta de uma pessoa que quebrou
vários vidros do hospital municipal. Como diz Boris Casoy: isso é uma
vergonha. Onde estão os Vereadores, o Conselho Municipal de Saúde e o
Ministério Público? Parece que apenas a Rádio Papacaça AM 1470 tem a
coragem de denunciar o caos.”

Inicialmente, para não correr o risco de nossa colega Lucinha Peixoto, que agora vive arrastando o joelho no chão, pedindo perdão por ter errado, pela sua distância, eu iria propor somente a publicação desta nota ou do seu link em nosso Blog. Entretanto, a notícia é tão chocante que vale a pena correr este risco, não deixando de salientar que, se o rapaz não morreu, não enfartou, não foi ao hospital, os médicos não assistiram ao jogo, o repórter não disse isto na entrevista, a “pedra” lançada pelo Blog é muito pesada e pode até me matar também, e quem a lançou primeiro precisa ser responsabilizado. Então vamos analisar quem a lançou e suas consequências.

O repórter Geninho Tavares entrevistou uma senhora que atirou a primeira “pedra”. Ou seja, disse ao repórter que o seu filho foi vítima de negligência médica, por motivo, para mim, fútil: ver um jogo de futebol. O Jameson, nosso esportista maior, pode até argumentar que aquele jogo não era uma coisa sem importância, e eu até concordaria com ele se tivéssemos nos referindo ao trabalho dos nossos parlamentares, em todos os níveis, cujo trabalho se apresenta tão pouco importante, em relação ao que deveria ser, que não interfere muito com as vidas ao ver jogos de futebol. No entanto, considero o trabalho médico uma espécie de sacerdócio, cuja vocação para salvar vidas deve vir em primeiro lugar. Se a mãe estiver dizendo a verdade, o castigo para os médicos de assistirem à derrota do Brasil é muito pouco.

O Geninho Tavares atirou a segunda “pedra” quando colocou nas ondas da Rádio Papacaça a notícia. Segundo ele, que acreditou na mãe, os enfermeiros medicaram o paciente que estava infartando com drogas, e aqui eu imagino, como “Beladona”, que era um remédio homeopático, que em nossa infância, nossas mães usavam para tudo em Bom Conselho. Para os enfermeiros, o castigo da derrota do Brasil também é pouco. Exercício ilegal da medicina só era permitido às mães daquela época, pois só tinham o Dr. França e o Dr. Raul, e muitas vezes não eram encontrados.

A Rádio Papacaça atirou a terceira “pedra” ao divulgar a notícia. Segunda ela, que acreditou em Geninho, que acreditou na mãe, há um contumaz péssimo atendimento médico no hospital da cidade, revoltando a população, ao ponto de alguém partir para violência, fazendo quebra-quebra dentro dele. Para os gestores do hospital, o castigo pelo Brasil ter sido liquidificado em vez da laranja holandesa, é muito pouco. Existe uma coisa chamada de irresponsabilidade administrativa, que pode levar a vários crimes e penas.

O Blog de Papacaça atirou a quarta “pedra” ao divulgar para o mundo a notícia. Segundo ele, que acreditou na Rádio Papacaça, que acreditou no Geninho, que acreditou na mãe, diz que isto tudo é um vergonha, e cobra a responsabilidade dos vereadores, Conselho Municipal de Saúde, Ministério Público, salientando a coragem da Rádio Papacaça ao divulgar a notícia. Para todas estas autoridades, entre as quais eu incluiria a Prefeitura Municipal, sofrer pela derrota brasileira, também é muito pouco. O descaso, negligência, indiferença, omissão, para com os problemas que podem afetar o povo também são passíveis de punição.

O Blog da CIT agora, por meu intermédio, atira a quinta “pedra”, ao reproduzir a notícia. Eu acreditei em todos. Eu preferiria que todos fossem desmentidos, eu inclusive, e que alguém dissesse que a área da saúde pública em nossa cidade funcionasse perfeitamente. Se isto acontecer eu irei atrás da Lucinha, pedindo perdão a todos, e talvez, cumprindo penitência, subir a Serra de Santa Terezinha de joelhos e depois ser medicado no Hospital de Bom Conselho, na hora de outro jogo de seleção, com a certeza de ser bem atendido.

O que me deixaria muito triste é que me dissessem que tudo noticiado fosse culpa da mãe do rapaz, por ter atirado a primeira “pedra”, ao sofrer por amor. Mesmo assim ela deveria ser perdoada porque, como diz o poema do Mário Lago (citado por Lucinha dias atrás - http://www.citltda.com/2010/06/prefeita-e-o-sanfoneiro-com-os-pes-no.html): “Atire a primeira pedra ai ai ai / Aquele que não sofreu por amor”.

Diretor Presidentediretorpresidente@citltda.com

Nenhum comentário: