quinta-feira, 15 de julho de 2010

O Polvo de Dilma e a Lei da Palmada

Hoje acordei cedo e, imediatamente, sedento de notícias do nosso amado Brasil, adentrei o meu laboratório preferido, que o é pelo jornal que assina, e sorvi como néctar aquelas páginas macias da “grande imprensa”. Bruno, Eliza, Eliza, Bruno, Bruno... Fui passando as páginas cada vez mais apressado para encontrar assuntos relevantes. Encontrei um.

Alguém dizia que, numa solenidade, na qual estava presente o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, o meu conterrâneo Lula pediu desculpas pelos excessos cometidos em fazer campanha antecipada pela Dilma, especialmente, por citar a candidata na cerimônia de lançamento do edital de construção do Trem de Alta Velocidade (TAV) que ligará Rio e São Paulo. O articulista (Luiz Carlos Azedo) ainda insinua que este comportamento foi devido aos conselhos do ex-ministro da Justiça Márcio Tomás Bastos a ele, pois as multas já eram avultadas. Eu imagino o teor desta conversa entre o ex-auxiliar e o presidente:

- Companheiro Lula, você já foi multado tantas vezes que, se você pagar todas as multas o seu patrimônio vai ficar igual ao do Raul Jungmann. Pegue mais leve, não cite todo o tempo o nome da Dilma. Por exemplo, mande fazer uma miniatura de um poste e entre nas reuniões carregando-o como se fosse uma cruz. Todos entenderão a mensagem e você não será multado. Se você quiser pode trocar o poste pela cruz mesmo, colocando uma mensagem, que ao invés de constar a abreviatura de Jesus Nazareno Rei dos Judeus, você colocará DRPT. Se algum juiz interpretar isto como sendo Dilma Rainha do PT, você pode alegar que a sigla foi feita pela Marta e que você não sabia de nada. Se ela for multada, não tem problema, ela é rica.

- Companheiro Bastos, você tem toda razão. Vou maneirar! Mas, o poste eu não abandono. Pois sem ele, vai ser mais difícil ainda subir na presidência de novo.

Este diálogo deve ter dado origem ao discurso feito na reunião citada acima, no qual meu conterrâneo, relembrando o que fazia na infância quando enrolava seu Zuza na conversa, mesmo com os bolsos cheios de mangas iguais aos meus, dizendo que eram umas pedrinhas redondas para brincar. Eu não ouvi toda a fala de Lula, mas posso imaginá-la.

“Companheiros, estou aqui humildemente, e não podia ser o contrário depois do mico que pagamos na Copa do Mundo, para dizer que me excedi ao falar, no lançamento do Trem Bala, que ele era mais uma obra da minha candidata Dilma Roussef, pois apesar de considerá-la a melhor pessoa para governar este país, e de saber que ela foi quem projetou até as cadeiras daquele trem, eu não poderia citar seu nome numa solenidade onde, como dizia Sarney, a liturgia do meu cargo, o impede. Continuo acreditando em tudo aquilo e não repetirei aqui que ela já deve ganhar no primeiro turno, como falei reservadamente para o Sarney, hoje meu amigo e correligionário.
Todos podem pensar que ando agora com este poste para cima e para baixo para lembrar a Dilma. Isto é mais uma intriga do FHC, só porque sabe ler “
de carreirinha” como dizia o Zeca Diabo, a quem tive o prazer de rever no filme do Guel Arraes, O Bem Amado. Todos pensam isto, porque disse uma vez que a Dilma era responsável por toda lâmpada elétrica acesa neste país, e isto eu jamais repetirei. Este poste hoje representa apenas o meu desejo de ver a oposição nele dependurada.
Portanto, meu caro Ricardo, espero que você faça algo para que as multas sejam dispensadas, e assim fazendo, também dispense as multas de Lucinha Peixoto, apesar dela ser uma chata de galocha.”

E a reunião deve ter seguido em clima de confraternização e entre mortos e feridos, só não se salvou o eleitor brasileiro, se acreditar nessa lengalenga de Lula e votar na Dilma.

Ao deixar o jornal todo organizado para outro cliente do laboratório, que obviamente tinha outras intenções, pois esperava sua vez com um vidro na mão com algo marrom dentro, eu parti para minha casa onde peguei o meu lepitope e comecei minha navegação diária. Fui no Blog da CIT, lá estava o Gildo Póvoas dizendo que achava que sabia de alguma coisa e se eu não tivesse parado no meio tinha dormido. Eu achava que iria aguentar... Passei para outros Blogs, e fui no de Roberto Almeida, um belo Blog. Informa na hora certa, faz literatura da boa quando necessário e ainda nos presenteia com uma quase história do cinema. Se eu escrevesse assim eu fundaria o meu próprio Blog em Caetés, para discutir com o Rafael Brasil, que bate demais no meu conterrâneo Lula. Lá, na lista de Blogs necessários vi o Blog do Jodeval com uma postagem que me chamou atenção: O Polvo de Dilma. Vocês devem estar imaginando que o motivo de sentar para escrever isto foi minha ida a este blog. E é verdade.

Faz algum tempo que não acesso o Blog do Jodeval, pois quando queria ver o que tinha lá ia direto nas fontes, o Blog do Emir Sade e o Granma, o jornal oficial cubano para ler os textos do Fidel Castro. Como ninguém aguentava nem discurso do Fidel, como aguentar ler um artigo escrito pelos seus assessores até o fim? Mas, hoje fui lá, pelo título sobre o polvo. E era sobre o que eu imaginava: O polvo Paul que previu todos os resultados da Copa do Mundo. Não era bem um texto e sim uma imagem de uma charge que eu já tinha visto antes, e que é reproduzida no início deste meu escrito.

Adorei esta charge pelo que ela demonstra de verdade em relação à candidata de Lula. Na realidade, quando a Dilma fala, quem fala de verdade é o Lula. Igual ao polvo mostrado na charge. O polvo escolhe a Dilma pela primeira vez o polvo é enganado. E minha preocupação desde o início desta campanha, que já faz anos apesar das multas e ameaças, é que o povo vote em Dilma e seja enganado igual ao polvo. Não por ele ter escolhido indiretamente o Lula, meu conterrâneo, que só erra porque não sabe o que os assessores fazem, e sim, porque penso que ao invés do Lula está por trás da máscara na charge, durante um governo de Dilma quem estará lá será o Zé Dirceu e o PT. Aí eu terei pena do polvo e do povo brasileiro.

De qualquer forma já houve um grande avanço do Blog do Jodeval ao mudar o disco colocando uma charge reproduzida na “grande imprensa”. Saí de lá satisfeito e esperançoso pelo avanço ideológico do conterrâneo de Lucinha Peixoto, e lembrei de algo que vi no jornal que li. Lula, falando num congresso que comemora 20 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente. Nesta fala ele defende a chamada “Lei da Palmada”, que ainda é um projeto de lei que foi encaminhado por ele ao congresso que propõe punir castigos físicos aplicados por adultos a crianças, e saiu-se com esta pérola na defesa da lei, além de admitir que nunca bateu nos próprios filhos:

“Se punição e chicotada resolvesse o problema, a gente não tinha corrupção no país. Não tinha tanto bandido no país”

Eu realmente não sei o que ele quis dizer com isto, sabendo que, provávelmente, como qualquer mãe daquela nossa época de criança, como D. Lindu e a minha, era fã de um chinelozinho de sola, e os nossos pais, adeptos de cinto bem pesado, e outros instrumentos. Lula apanhou ou não apanhou de D. Lindu ou do pai? Se a resposta for sim, então uma puniçãozinha resolve, pois não creio que ele seja corrupto, e se for, é porque não sabe disso. Se a resposta for não, o que ele deve ter querido dizer é que uma parte do PT, realmente, apanhou na infância e não adiantou nada. Eu também sou a favor da Lei da Palmada, desde que usada com moderação, como qualquer lei no Brasil.

Zezinho de Caetésjad67@citltda.com

Nenhum comentário: