terça-feira, 20 de julho de 2010

Quem tem medo da Dilma?



Dias atrás recebi um e-mail da amiga Maria Caliel e colaboradora deste Blog (não com tanta frequência quanto eu gostaria), no qual havia um texto atribuído a Marília Gabriela. Como a mensagem também era dirigida ao Zezinho de Caetés, falei com o gajo sobre ela, e soube que ele já havia pensado em escrever alguma coisa sobre o seu conteúdo. Por sermos ambas, eu e a Marília (supondo ser dela o texto e, se não for, desculpe-me Marília pela atribuição indevida, mas quero dizer que concordo com tudo e só não escrevo sozinha porque não conheço a Dilma pessoalmente, e também porque o texto é muito mais bem escrito do que o que eu jamais escreveria) Marinetes, e que alegria saber disto, o Zé me deixou escrever sozinha.

Serão apenas comentários que espero complementem de forma positiva o belo e oportuno texto, que poderia ser transcrito só, sem nenhuma intervenção. No entanto, para não ficar como o Blog do Jodeval, que não tendo mais tempo de escrever, terceirizou o Blog ao Fidel Castro e ao Emir Sader, como já havia notado o Zezinho, resolvi intercalá-lo com minhas sérias jocosidades. O que estiver em negrito e itálico foi escrito pela Marília.

“VOU CONFESSAR: Morro de medo de Dilma Rousseff. Esse governo tem muitos acertos, mas a roubalheira do governo do PT e o cinismo descarado de LULA em dizer que não sabia de nada nos mete medo. Não tenho muitos medos na vida, além dos clássicos: de barata, rato, cobra. Desses bichos tenho mais medo do que de um leão, um tigre ou um urso, mas de gente não costumo ter medo. Tomara que nunca me aconteça, mas se um dia for assaltada, acho que vai dar para levar um lero com os assaltantes (espero); não me apavora andar de noite sozinha na rua, não tenho medo algum das chamadas "autoridades", só um pouquinho da polícia, mas não muito.”

Eu já fui assaltada. Realmente é difícil levar um “lero” com os assaltantes. Pois não sabemos o que eles querem, se a nossa vida ou nossos bens materiais. Desta vez me levaram só os bens materiais, que já são tão poucos, pois meu patrimônio é menor do que o do Raul Jungmann. Será que eles não quererem minha vida já tenha sido uma consequência do Pacto pela Vida do Eduardo? Caro governador tem que fazer um programa Pacto pelo Celular, pois desta vez deixaram minha vida mas levaram o presente dos dias das mães, um celular que ainda nem sabia usar direito, apesar do esforço dos meus filhos em me ensinar.

Quanto ao cinismo descarado de Lula nem vou falar, pois prometi a Zezinho não bater em seu conterrâneo, pelo menos desta vez. Mas, não prometi nada em relação ao PT. Eu pensava que era apenas eu que acreditava no que ela diz sobre este partido. Ainda bem, já somos três, incluinfo o Índio. Infelizmente, tenho mais medo de leão do que de barata, já manejo bem meu chinelo, evitando os venenos de aerossol tão prejudiciais ao equilíbrio ecológico do planeta. Quanto ao medo de cobra, urso e tigre, nós concordamos.

“Mas de Dilma não tenho medo; tenho pavor. Antes de ser candidata, nunca se viu a ministra dar um só sorriso, em nenhuma circunstância.
Depois que começou a correr o Brasil com o presidente, apesar do seu grave problema de saúde, Dilma não para de rir, como se a vida tivesse se tornado um paraíso. Mas essa simpatia tardia não convenceu. Ela é dura mesmo.
Dilma personifica, para mim, aquele pai autoritário de quem os filhos morrem de medo, aquela diretora de escola que, quando se era chamada em seu gabinete, se ia quase fazendo pipi nas calças, de tanto medo. Não existe em Dilma um só traço de meiguice, doçura, ternura.”

Quando li este parágrafo lembrei imediatamente do meu pai, dizendo com aquela voz de gente que manda porque pode e sabe que está falando com quem obedece por ter juízo, mesmo tendo vontade de reagir à altura:

- Lucinha, não insista, hoje você não vai prá praça! Você ontem chegou muito tarde!

Ah, como eu ficava com raiva do meu pai naqueles momentos. Mas, o que fazer? Ele só baixava a cabeça para minha mãe, e só um pouquinho. “Comparando má”, minha mãe era o Lula do meu pai. Explico. A Dilma é uma criação de Lula. Ironicamente, com quase 80% de aprovação, ele não tinha quem indicar para sucedê-lo e que se sujeitasse a deixar o cargo em 2014, para ele voltar ungido como um Dom Sebastião de Caetés. Quando conheceu Dilma, gamou (no bom sentido). Ela, como qualquer militante revolucionário, era durona, obediente, e estava disposta ao sacrifício, mesmo que tivesse que aprender a sorrir. Com uma condição, igualzinho ao meu pai com a minha mãe, ela só obedeceria ao Lula. Não porque isto fosse de livre e espontânea vontade mas porque para se eleger ela precisava do Lula, tanto quanto meu pai precisava da minha mãe. Eu só não sei, em ambos os casos, quanto Dilma e meu pai andariam sem mandar Lula e minha mãe “catarem coquinho”. Pelo menos, meu pai nunca mandou minha mãe, e por alguns fatos, como os abaixo citados, também a Dilma está longe de se desligar do Lula:

“O Globo mandou uma mesma pergunta para os três principais candidatos à Presidência da República:

- Por que o senhor (ou a senhora) quer ser presidente da Republica?

José Serra respondeu, Marina Silva respondeu. As respostas saíram na integra, com todo o destaque, na página 3 do jornal. Mas Dilma Rousseff não respondeu. O Globo,no espaço dela, pôs enorme interrogação.

O jornal não entendeu, não aceitou o silêncio de Dilma. Por que seria? Como é que Dilma confessava que não sabe por que quer ser presidente? Por vias travessas, o Globo conseguiu a resposta: Dilma não respondeu porque Lula estava viajando e ela teve medo de dar uma resposta que ele não aprovasse totalmente.....

Nem uma semana se passou e o papelão se repetiu. Ao encaminhar ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) os pedidos de registro da candidatura, os candidatos também apresentavam uma síntese de seu programa de governo. Dilma também apresentou o seu. Conta a Folha:

- "A candidata do PT deu aval por escrito, página a página, ao programa de governo que prevê, entre outros pontos, tributação de grandes fortunas, redução da jornada de trabalho e combate ao "monopólio dos meios eletrônicos de comunicação". O documento foi protocolado no TSE e trazia a rubrica de Dilma em todas as suas páginas. O PT retirou o texto cerca de 7 horas depois, substituindo por outro, sem os pontos polêmicos".

Disseram a Dilma que Lula, quando voltasse, poderia ficar furioso.” (
Coluna do Sebastião Nery de 10.07.2010, enviada a mim pelo Zezinho de Caetés).

Lula e minha mãe sabiam com quem estavam lidando, e sabem que sem Dilma e o meu pai eles também estariam num mato sem cachorros.

Entretanto, esta comparação é muito “família”. Lembrei também de Seu Valdemar, diretor do nosso Ginásio São Geraldo. Igual a Marília, em relação a Dilma, não tínhamos medo dele, tínhamos pavor. Todos nós alunos mudávamos nossos semblantes ao vê-lo. O que mais nos apavorava era ser mandado ou chamado à diretoria. Recordo uma vez que fui chamada junto com algumas colegas e a vítima maior foi a Mercês de Chico Antonino, por está com a saia suja de tinta de caneta. Lembro da lividez do seu rosto enquanto Seu Valdemar dizia:

- E você, uma moça já grande, como pode se sujar deste jeito? Parece uma bebezinha, que coisa feia. Amanhã não me chegue com esta saia!

Realmente, a comparação com a Dilma é só nessa cara dura. Nunca vi falar que o Seu Valdemar tivesse um Lula em suas costas. Pensei em Doutor Cirilo, mas, ele não tinha temperamento para isto. Ambos, foram de grande valor para a educação em nossa terra. Aproveitando o ensejo, como foi o dia do ex-aluno este ano? Dia 09 de julho, dia do aniversário de Doutor Cirilo. Eu quase que ia, pois se houve o Forrobom, porque não haveria a festa do dia dos ex-alunos do São Geraldo?

“Ela tem filhos, deve ter gasto todo o seu estoque com eles, e não sobrou nem um pingo para o resto da humanidade. Não estou dizendo que ela seja uma pessoa má, pois não a conheço; mas quando ela levanta a sobrancelha, aponta o dedo e fala, com aquela voz de general da ditadura no quartel, é assustador. E acho muito corajosa a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira, que está enfrentando a ministra afirmando que as duas tiveram o famoso encontro. Uma diz que sim, a outra diz que não, e não vamos esperar que os atuais funcionários do Palácio do Planalto contrariem o que seus superiores disserem que eles devem dizer. Sempre poderá surgir do nada um motorista ou um caseiro, mas não queria estar na pele da suave Lina Vieira. A voz, o olhar e o dedo de Dilma, e a segurança com que ela vocifera suas verdades, são quase tão apavorantes quanto a voz e o olhar de Collor, quando ele é possuído.
Quando se está dizendo a verdade, ministra, não é preciso gritar; nem gritar nem apontar o dedo para ninguém. Isso só faz quem não está com a razão, é elementar.

Lembro de quando Regina Duarte foi para a televisão dizer que tinha medo de Lula; Regina foi criticada, sofreu com o PT encarnando em cima dela - e quando o PT resolve encarnar, sai de baixo. Não lembro exatamente de que Regina disse que tinha medo - nem se explicitou-, mas de uma maneira geral era medo de um possível governo Lula. Demorei um pouco para entender o quanto Regina tinha razão. Hoje estamos numa situação pior, e da qual vai ser difícil sair, pois o PT ocupou toda a máquina, como as tropas de um país que invade outro. Com Dilma seria igual ou pior, mas Deus é grande.

Minha única esperança, atualmente, é a entrada de Marina Silva na disputa eleitoral, para bagunçar a candidatura dos petistas. Eles não falaram em 20 anos? Então ainda faltam 13, ninguém merece.


Seja bem-vinda, Marina. Tem muito petista arrependido para votar em você e impedir que a mestra em doutorado, Dilma Rousseff, passe para o segundo turno.

Outra boa opção é o atual governador José Serra que já mostrou seriedade e competência.

Só não pode PT, Dilma e alguém da "turma do Lula".”

É, Marília, Deus é grande. O povo brasileiro haverá de entender que nem só de Bolsa Família vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus. E se Ele é de Bom Conselho, como insinuou o Diretor Presidente, só resta apelar para o Padre Alfredo que está no céu e nos protegeu tanto tempo, e na terra para o Padre Nelson, se ele não nos cobrar nenhum dízimo pelas orações. Pois como você diz, ninguém merece.

Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: