segunda-feira, 26 de julho de 2010

Saulo Bezerra



Pelo amor de Deus, não pensem que o Saulo morreu. Não. Começo assim porque quando alguém que admiro falece, normalmente eu começo seu obituário com o nome do falecido. Neste caso, graças a Deus, não. O motivo para escrever sobre o Saulo é de alegria e não de tristeza. Então prossigam, lendo-me.

Em minha ida, mais ou menos semanal, ao SBC, fui ao seu Mural, rolei “prá riba e prá baixo” e tudo que havia eram parabenizações ao Saulo pela sua formatura em Direito. Eu pensei logo, eita, mais um advogado para fazer como o José Fernandes, que agora inventou que, além de eu ter milhares de bovinos, minhas vacas tossem o tempo inteiro. Então eu pensei deixar lá uma mensagem cumprimentando-o também. Entretanto, o mural do SBC e eu somos incompatíveis, ou melhor, são incompatíveis minha prolixidade e o limite de 1000 toques. Resolvi então escrever daqui mesmo do nosso Blog, sem limites.

Digo logo, não conheço o Saulo pessoalmente, como gostaria de fazê-lo. Entretanto eu o admiro desde velhos tempos em que eu gritava e brigava naquele mural, ao ponto dele perder a paciência e me convidar para a Academia Pedro de Lara. Eu não fui, todos sabem, por causa do O Andarilho, que desencarnou, e agora, se voltou, deve ter sido reencarnado em algumas de minhas vacas. Penso que é aquela que tosse mais. Por isso, deixei de participar da única academia literária que Bom Conselho conseguiu manter, frustrando nossos planos, meu e do Zetinho, de ter uma Academia circundada por tijolo e cimento, nem que fosse no Salão Paroquial. Mas, deixa prá lá. Falemos da minha admiração pelo Saulo.

Parafraseando nosso apedeuta-mor, nunca na história desse país eu vi alguém falar mal do Saulo. Talvez a única exceção tenha sido eu, quando ele me censurou e ao José Fernandes, num debate naquele mural, com o finado O Andarilho. Depois que participo aqui todos os dias do Conselho Editorial do Blog da CIT, vi que ele tinha razão. Há vezes em que temos que censurar mesmo, pois alguns escrevem verdadeiras bombas atômicas, que podem destruir Bom Conselho. Então temos que agir em nome da paz. Sou contra quando a censura é contra o amor, como no caso do Barão e Baronesa. Onde andam eles?

Conheço-o de fotos, com todo respeito, é um lindo gajo. Alto, elegante, parecendo calmo e ponderado, discreto. E apenas para mostrar que a perfeição ainda pode ser atingida, torce pelo Sport. Eu penso que é o homem ideal para entrar na política de Bom Conselho, para acalmar este ambiente. Seria um bom candidato para 2012. Eu de minha parte, como candidata a vereadora, adoraria participar do seu palanque, por isso farei de tudo para que o PV o inclua nos seus quadros. Mas, isto é futuro.

Pelo momento apenas desejamos que o Saulo seja um bom advogado, sem nunca ter o diabo como cliente. É uma bela profissão num Estado de Direito, que no Brasil, apesar das investidas do nosso apedeuta-mor em burlar a lei, fazendo campanha antecipada pelo poste, o que também me contagiou, ao fazê-lo pela Marina, tende a progredir rumo a uma nação civilizada. Pelo menos é o que espero.

Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: