sexta-feira, 27 de agosto de 2010

AVATAR



Ao adentrar ontem o meu laboratório, para leitura diária dos jornais, deparei-me com algumas falas interessantes do meu conterrâneo Lula, a quem não estou mais alinhado, porque toda vez que tento ver suas boas qualidades, aquelas duas notas de 50, me queimam os bolsos (http://www.citltda.com/2010/08/lula-em-garanhuns-e-eu-atras.html). Me senti humilhado. Ele se saiu com esta pérola, durante uma solenidade oficial para envio de projetos de lei ao Congresso, que os jornalistas dizem que foi em tom de brincadeira, mas, eu sei que brincadeira do Lula era jogar pedra em cabeça de rolinha e roubar frutas do sítio do seu Juca, junto comigo, confesso.

“Junto com essa lei, eu poderia ter mandado uma emendinha para mais alguns anos de mandato.”

Foi além e vociferou, se lamentando de só ter comprado um avião para a presidência da República:

“Eu deveria ter comprado um maior ou dois.”

Não tive como segurar meu pensamento, ao verificar também que sua popularidade chega a novos recordes, beirando os 80%. Eu penso que níveis de popularidade desta magnitude só foram obtidos pelo Adolf Hitler, na Alemanha das décadas 30/40 do século passado, tendo mais algo em comum: igual ao PT, o Partido Nazista também não tinha o mesmo prestígio do seu líder, na época. Depois vimos em que a popularidade do Hitler se transformou. Talvez, quando se chega a este patamar de adulação popular, qualquer governante deve sofrer transformações impossíveis para os pobres mortais.

Ele deve se sentir frustrado com todos os males que, pelo menos em sua concepção, afligem seu povo, e quer, a todo custo saná-los. Consciente que não há oposição suficiente para tolher os seus passos, lembrando-o de que “ele é pó e ao pó retornará”, ele começa a colocar em prática todo seu arsenal de soluções produzidas com a mesma cabeça que gerou a onda de popularidade. Ele se sente como um Deus na terra.

Nada melhor para defini-los do que o termo: AVATAR, que é uma manifestação corporal de um ser imortal segundo a religião hindu, por vezes, até do Ser Supremo. Ou seja é a encarnação de um deus vivo. Isto é o que nos parece agora o meu conterrâneo Lula. Quando chegam a este patamar, as pessoas sentem-se com poder para tudo, desde ser técnico da seleção brasileira de futebol até ser pai de todo um povo. Getúlio, depois de ser pai do povo durante anos, terminou dando um tiro no peito, para provar que era um avatar, saindo da vida para entrar na história. Hoje ele tem um concorrente à altura, para ser considerado o pai do povo.

Entretanto, o Lula perdeu a oportunidade de se perpetuar no poder, como o avatar Chaves, que ele tanto admira, ao não enviar ao Congresso aquela “emendazinha”. Antes dele me dar aquelas duas notas de 50 eu diria que isto ocorreu, infelizmente. Depois daquele ato de “muquiranismo” cultural/literário, eu, como qualquer eleitor decepcionado, digo que graças a Deus ele não conseguiu, principalmente, pela escolha de sua candidata à presidência.

Minha mãe, lá em Vargem Comprida, nunca falou tão certo quando dizia que o Lula “não dava ponto sem nó”. Depois que eu assisti a um filme muito bom, chamado AVATAR, descobri porque ele escolheu a Dilma e seus propósitos com isto. Como não quer imitar Getúlio no seu gesto extremo, deixando a vida para ir ao lugar dos Deuses hindus, embora preferisse iranianos, ele resolveu colocar em prática o roteiro do filme dirigido por James Cameron.

Apesar do Brasil ser muito diferente de Pandorra, o planeta habitado pelos Na’vi no filme, após assistí-lo na sala de cinema do Planalto, certamente acompanhado por Marco Aurélia Garcia, que também adora este tipo de filme, pois Lula promete a ele que se continuar “dando as cartas”, vai tranformá-lo num avatar-júnior, o Lula teve uma de suas brilhantes ideas. Mesmo saindo do governo, a partir de janeiro de 2011, ele iria permanecer interferindo no destino do seu povo, se tornando um AVATAR, do mesmo tipo daqueles do filme. A partir de um projeto do Zé Dirceu, que enquanto todos pensam que ele está fora da política, estava trabalhando duro para desenvolver um avatar, que ele gostaria que fosse ele, o Lula resolveu dele participar.

Penso que todos lembram daquelas urnas que os humanos entravam e se transformavam em avatares, no premiado filme. Os projetistas ligados ao planlto inventaram então que o palácio estava em reforma, sómente para esconder da imprensa as urnas usadas por Lula para se transformar em seu avatar. Para não levantar nenhuma suspeita ele escolheu um avatar mulher, a Dilma. Então, enquanto o Lula dorme na urna, se transforma em Dilma, a mãe do povo brasileiro. Não é mentira quando ele diz que entregaria cheques em branco a ela, sem temer nada. Ela é apenas seu avatar. Algumas ideias diferentes, alguns gestos diferentes, foram programados pelo Zé Dirceu, para tudo aparecer real diante do eleitores e do povo, que continua a apoiar o Lula.

Eu, e quem ler meus artigos aqui sabe, nunca fui adversário do Lula, embora sempre achasse que ele escolheu mal sua candidata. Isto foi até eu descobrir que a Dilma de hoje não é aquela de antigamente acusada de ser uma terrorista, stalinista, e outros maus adjetivos, e sim o AVATAR de Lula. Resta saber se o comportamento deste AVATAR seguirá o roteiro de Lula ou do filme. Meu medo é que, como no filme, o AVATAR, comece a se revoltar contra seus criadores, e Lula perca totalmente seu controle. Mas, para não corrermos este risco seria necessário que o povo brasileiro rejeitasse a mãe AVATAR. Como as pesquisas estão dizendo que é muito difícil, esperemos para ver o fim da fita.

Zezinho de Caetésjad67@citltda.com

Nenhum comentário: