segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A Fabricação da Mulher



Ontem, ao abrir minha caixa de entrada de mensagens, me deparei com uma enviada pela minha conterrânea Celina Ferro. Ela sempre foi minha historiadora preferida. Afinal de contas o que sei de Frei Caetano de Messina, foi ela que me ensinou no seu livro: De Capacaça a Bom Conselho. Quando falo de Bom Conselho só conto histórias de minha meninice e adolescência naquela santa cidade, e não tenho idade suficiente, para ter convivido com o frade turrão. Então, certas coisas em relação a ele, somente os historiadores puderam me ensinar.

Ela nos conta que, lá pelos idos de 1850, Frei Caetano chegava ao território de Bom Conselho e logo procurou saber dos problemas locais, constatando, como principais, a existência de muitas meninas órfãs e um elevado nível de prostituição, além da falta de água tratada, de um cemitério e de um templo em que os fiéis pudessem cumprir suas obrigações com Deus. Chamei-o de turrão pela sua forma de administrar a solução que ele traçou para os problemas levantados. Celina nos conta que ele:

“Conduzia os fiéis para ajudar com o material, dinheiro, os mais pobres com seu trabalho. Frei Caetano à frente, pregava as missões, trabalhava e nos sermões dizia:

- Povo de Papacaça, faz penitência! Quem não carregar pedra e tijolo para fazer a casa de Deus [referindo-se ao Colégio N. S. do Bom Conselho] está nas profundas do inferno! Faz penitência povo! Deita na rua e te cobre para a procissão passar por cima!

E muita gente nos dias de procissão embrulhava-se num lençol e deitava-se no meio da rua para que todos passassem por cima.”


Era o catolicismo da época. Hoje, se o Padre Nelson disser que o povo tem que fazer penitência para reconstruir o Açude da Nação, deitando no chão, penso que só quem obedecerá é o Zé Basílio, mesmo assim a muito contragosto. Os outros proporão logo a internação do vigário na Casa de Caridade. Mas, levando isto em conta, isto não tira o mérito do frade. Por causa dele, temos o nosso Colégio, nosso Cemitério de Santa Marta, ao qual não faltou defunto para a inauguração como na Sucupira do Odorico Paraquassu, e ainda nossa bela Igreja Matriz.

Entretanto, deste episódio de nossa história que culminou com a nossa maior e mais bela construção, o Colégio, veio para me lembrar de fatos relacionados com a mensagem da Celina. Todas da minha idade sabem que nesta construção, pelo menos em seu educandário só entravam mulheres e padres ou frades. Isto acontecia em quase todos os estabelecimentos de ensino católico. Quando vim para o Recife, ainda encontrei este regime no Colégio das Damas, por exemplo. Quisesse Deus que fosse porque as mulheres fossem consideradas especiais no sentido positivo. Muito pelo contrário, mesmo aqueles pais que admitiam estas criaturas do meu gênero, pelo menos aprender a ler, o faziam impondo limites severos, e que eram seguidos nos colégios católicos.

Até hoje, em nossa cidade reina o ranço machista, que tanto a Celina como eu, tentamos combater. E certas horas, apesar de achar que não nos devemos apegar muito na diferença de gêneros para nos impor, muitas vezes é necessário, diante de tantos preconceitos, espalhar por ai um pouco de nossas qualidades, e que são um pouco diferentes daquelas do bicho homem, de quem tanto gostamos, diga-se de passagem. A mensagem da Celina é apenas uma transcrição de um texto, que penso não ser dela, nem ela também cita o autor, e que achei muito bonita:

“Quando Deus fez a mulher já estava em seu sexto dia de trabalho fazendo horas extras.
Um anjo apareceu e Lhe disse: "Por quê leva tanto tempo nisto?"
E o Senhor respondeu: "Já viu a minha ficha de especificações para ela?"
Deve ser completamente lavável, mas sem ser de plástico, ter mais de 200 peças móveis e ser capaz de funcionar com uma dieta de qualquer coisa, até sobras, ter um colo que possa acomodar quatro crianças ao mesmo tempo, ter um beijo que possa curar desde um joelho arranhado até um coração partido e fará tudo isto somente com duas mãos."
O anjo se maravilhou com as especificações.
"somente duas mãos....Impossível!"
e este é somente o modelo básico?
É muito trabalho para um dia...Espere até amanhã para terminá-la."
Isso não, protestou o Senhor. Estou tão perto de terminar esta criação que é favorita de Meu próprio coração.
Ela se cura sozinha quando está doente e
pode trabalhar jornadas de 18 horas." O anjo se aproximou mais e tocou a mulher.
"mas o Senhor a fez tão suave..."
"É suave", disse Deus, mas a fiz também forte. Você não tem idéia do que pode aguentar ou conseguir.
"Será capaz de pensar?" perguntou o anjo.
Deus respondeu:
"Não somente será capaz de pensar mas também que raciocinar e de negociar"
O anjo então notou algo e estendendo a mão tocou a bochecha da mulher.....
"Senhor, parece que este modelo tem um vazamento...
Eu Lhe disse que estava colocando muita coisa nela..."
"Isso não é nenhum vazamento... é uma lágrima" corrigindo-o o Senhor.
"Para que serve a lágrima," perguntou o anjo.
e Deus disse:
"As lágrimas são sua maneira de
expressar seu destino, sua pena, seu desengano, seu
amor, sua solidão, seu sofrimento, e seu orgulho."
Isto impressionou muito ao anjo "O Senhor é um gênio, pensou em tudo. A mulher é
verdadeiramente maravilhosa"
Sim é!
A mulher tem forças que maravilham aos homens.
Aguentam dificuldades, levam grandes cargas,
mas têm felicidade, amor e alegria.
Sorriem quando querem gritar.
Cantam quando querem chorar, choram quando
estão felizes e riem quando estão nervosas.
Lutam pelo que crêem.
Enfrentam à injustiça.
Não aceitam "não" como resposta quando
elas crêem que há uma solução melhor.
Privam-se para que a sua família possa ter.
Vão ao médico com uma amiga que tem medo de ir.
Amam incondicionalmente.
Choram quando seus filhos triunfam e se alegram
quando seus amigos ganham prêmios.
Ficam felizes quando ouvem sobre um
nascimento ou um casamento.
Seu coração se parte quando morre uma amiga.
Sofrem com a perda de um ente querido, entretanto são fortes quando pensam que já não
há mais forças.
Sabem que um beijo e um abraço
podem ajudar a curar um coração partido.
Entretanto, há um defeito na mulher:

É que ela se esquece o quanto vale.”

O que mais me fez publicar esta mensagem aqui foi uma parte que não publiquei que diz, que aqueles que a recebessem repassassem-na a suas amigas, e também aos homens, porque eles precisam serem lembrados de que valemos muito, desde que fomos fabricadas com o maior carinho e eficiência, e na lista para quem a Celina enviou, não vi nenhum homem, então resolvi mostrar a eles em nosso Blog.

No entanto, lembrem-se que o anjo com o qual Deus conversou não era homem nem mulher, e se ele já existia, também foi uma criação de Deus, pois todos somos. Abaixo o preconceito! E quando digo que, nas próximas eleições, mulher vota em Marina, não é porque acho que a Dilma não foi uma criação de Deus, é porque o Lula, mudou quase todo o seu projeto de fabricação original. Marina veio da floresta, com garantia de fábrica.

Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: