terça-feira, 12 de outubro de 2010

A Barata Dilminha




Como todos já sabem, ontem levei meu neto para ver os palhaços Patati e Patatá. Foi uma farra. Como dançamos, cantamos e nos divertimos. Quando terminou o show, ainda o levei para brincar naqueles brinquedos para a idade dele, que eram poucos, e para minha muito menos. Meu marido dizia: “Brinquedo de velho é cama.” Entre minha resposta tradicional de dizer que velha era a mãe dele e outras escaramuças normais da idade, meu neto se divertiu a valer.

Como diz uma um música mais velha do que eu: “O pique-nique foi bom, mas a volta é que foi tão triste...”. À noite tive que assistir ao debate dos presidenciáveis. Meus amigos, uma coisa é você ser avó, outra coisa é aturar a avó dos outros, mais especificamente a avó do Gabriel, a Dilma. E ontem ela estava “com a macaca” como se diz. Além de gaguejar todo tempo, como sempre, ainda mostrou que não poderia exercer o papel proposto pelo Eduardo de “Dilminha, paz e amor”.

Resolvi não escrever nada antes porque considero, hoje, o Dia da Criança, mais apropriado, para relatar os acontecimentos. E como sempre começo, como qualquer analista destes debates, dizendo que Dilma, perdeu o debate e vai perder as eleições, graças a Deus. Não é possível que o povo brasileiro embarque naquela conversa furada, de reagir com fúria a boatos caluniosos. Usando a frase do apedeuta-mor que tanto encantou o Zezinho: “O povo não é tonto”. Foi a noite do desespero de Dilma. Na declaração final, eu já estava meio sonolenta, e pensei que ela estava chorando. Acabou o sorriso forçado, não havia onde lê nada, e alí estava aquela mulher derrotada. Eu senti pena pelo meu gênero.

Vi em vários blogs ontem que a principal causa de sua raiva, foi o boato de que seria lésbica. Todos que me leem sabem minha posição em relação a isso. Não há vergonha em ser lésbica, ser a favor do aborto ou mesmo não crer em Deus, desde que se assuma isto. Ou seja, enfrente a sociedade e o fogo do inferno com altivez. Eu gosto de espada, se ela gosta de bainha, qual o problema, preconceituosos infames? O grande problema de Dilma é a mentira. Pelo menos no caso do aborto e no da crença, eu tenho certeza de que ela não está falando a verdade. Ser lésbica ou não é apenas um detalhe, e se ela não fosse mentirosa, eu poderia votar nela. Para mim ainda seria melhor se isto fosse verdade, pois só em 2014, teríamos a primeira mulher na presidência, embora eu ache, que, se os outros debates forem como este, tenho certeza que ela não será eleita.

Mas, como disse, hoje é o dia das crianças. E como escrever sem homenageá-las. Para fazê-lo escolhi uma música infantil, que não sei quem é o autor, mas, parece que ele a fez para homenagear a Dilma depois do debate de ontem. Vejam o vídeo abaixo e cantem junto com a história da barata, que, por não saber seu nome, a batizei como Dilminha. O motivo é visto ao ouvirem a música e prestarem a atenção à letra.

Parabéns a todas crianças do Brasil, principalmente à filha do Roberto Almeida, a Vitória, que faz anos hoje, ao meu neto, e ao neto da Dilma,o Gabriel.




Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: