quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Lula, Dilma e a PAPACAGAY





Sempre tentei ser clara quanto a pontos polêmicos que envolvem princípios morais, religiosos e sociais relevantes para a vida humana. Sempre me defini como católica, e mais, católica praticante e defensora das ideias pregadas por Jesus e difundidas pela nossa Santa Madre Igreja Católica. Sempre frisei e repeti várias vezes que sou católica mas não sou ovelha. E se alguma autoridade católica quer tratar-me como pertencendo ao rebanho que somente berra concordando, vê logo que está enganado.

Chegaram até a dizer que eu não era católica nem nada. Que era uma loba em pele de cordeiro, e até me epitetaram de “Naja do Agreste”, que será o meu codinome para minha campanha para vereança papacaceira em 2012. Quem acha isto são os católicos ovelhas, que acreditam mais nos homens do que em Jesus Cristo, e no fim não passam de pessoas políticas que querem assustar para reinar. Comigo não, violão.

Aqui apenas tratarei de exemplos, que já foram por mim discutidos aqui neste Blog, e mesmo no Mural do SBC, antes do Saulo me censurar ( se quiser ver um exemplo clique aqui). Um deles é o aborto. Todos sabem que eu sou contra, desde o início, à Dilma Roussef como candidata a presidente da república. O motivo principal era porque achava a Marina Silva com melhores propostas, ou, com propostas para o Brasil. Por Dilma ser do meu gênero, tão espezinhado por séculos e séculos, mesmo não pensando em apoiá-la eu tinha simpatia por algumas de suas ideas, e o que ela pensava sobre o aborto é uma delas. Vejam o filme abaixo antes de continuar a leitura:



Vejam que, o que ela diz, é a pura verdade. Nenhuma pessoa, mulher ou homem, pode ser a favor de todo tipo de aborto. Eu sou a favor da liberdade da mulher e que use o seu corpo para usá-lo como bem entende, desde que outras vidas não sejam ameaçadas. Mas, a lei deve ser usada para limitar os possíveis exageros, da mesma forma que limita nossa vontade de dar umas tapas em alguém quando ele nos chama de gorda, e se chamar de velha, eu vou certamente, responder a um processo criminal. No entanto, não posso ser a favor de ideias religiosas, que pregam, que o aborto é proibido e “priu”. Dentro disto está minha igreja católica, e não me considero, como a Dilma, que só em segundo lugar é católica, apenas eu não vejo diferença nenhuma, e se diferença há são coisas de homens que a fazem (ah, como eu gostaria de dizer de homens e mulheres que a fazem, mas ainda não posso). No restante, a Dilma está certa.

Não se alegrem tanto meus senhores e senhoras, que são simpáticos a ideias como estas desta senhora que se tornou um poste de difícil locomoção. Agora ela não pensa mais nada disto, e vem aí a Carta ao Povo de Deus. Onde ela se compromete, se eleita for, não enviar quaisquer projetos de legislação ao Congresso que envolvam temas como este, o aborto, e ainda mais, vai congelar o avanço que poderíamos ter na questão dos homossexuais. Com que objetivo? Puramente, ganhar as eleições. Esta eleição está virando um vale tudo, que quem vai sair perdendo será o povo brasileiro, independentemente de quem vencê-la. Mas, se for a Dilma estaremos mais fritos ainda. É muita desfaçatez junta. E dizem que o Lula estava presente à reunião em que houve um acordo entre os evangélicos e a candidata para este comprometimento, nocivo a uma grande parcela da população brasileira. Mas antes de continuar vejam o filme abaixo:



Meu Deus, coitados dos meus amigos homossexuais. E uma grande parte deles votou no Lula, e agora levam na cabeça (muitas vezes tenho vontade de ser o Altamir e colocar a palavra certa, mas, só iria dar mais trabalho ao meu confessor). Mas como já diziam em minha terra, que “não há mal que não traga um bem relativo”, e sei que a Dilma não será eleita, e portanto, a Carta ao Povo de Deus deverá ir para o devido lugar, a lata do lixo, tanto Lula quanto a Dilma voltarão às suas ideias anteriores, e nós mulheres e meus amigos homossexuais, agradecerão. E já aproveito este espaço para convidá-los para nossa parada gay de Bom Conselho, durante o carnaval, nossa Papacagay. Garanto ao apedeuta-mor que ele terá um lugar de destaque nela, e não aproveitaremos seu analfabetismo para fazer a pegadinha que nos foi sugerida: No estandarte que ele carregará, colocar a frase, “Eu também sou”. Pode ficar tranquilo que sabemos que ele é espada. Já a Dilma, depois destes boatos todos, a bandeira que ela levar, vai ter escrito o que ela quiser. Também fique tranquila pois, seja o que for que estiver escrito, ela será também bem-vinda.

Talvez com a confirmação da presença dos dois, os que coordenam o Encontro de Papacaceiros, sigam a sugestão do Alexandre Vieira, para a Papacagay, de mudar sua data para o Carnaval. Vai ser uma festa de arromba.

Para terminar quero me referir ao artigo do Zezinho de Caetés (Veja aqui), no qual ele fala que o Frei Betto e a teologia da libertação me engabelaram. Eu gostei do artigo por mostrar o que é o Frei Betto agora. Eu também não conheço missas no tempo de Jesus, talvez ele tenha querido dizer só cultos ou resolveu chamar a estes de missas. Eu o perdôo porque ele ainda não deve ter lido a Carta ao Povo de Deus. Quando todos eles lerem, inclusive o Boff, só têm uma saída, torcer para que a Dilma perca e virem todos para a grande festa da Papacagay.


Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: