segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Lula: O mau cheiro continua...




Tenho acompanhado todos os jornalistas sérios deste país, e nenhum, que não esteja enredado completamente por compromissos políticos, aprovou a atitude do presidente Lula no episódio de agressão ao candidato José Serra no Rio de Janeiro. Hoje nem se trata mais da existência ou não da bolinha de papel, fita crepe, o goleiro Rojas, etc. Mas, sim de sua atitude em não condenar um ato de violência por integrantes do PT naquela ocasião. Como todos sabem eu costumo citar os outros quando concordo com eles e sou incapaz de acompanhar aquele texto enxuto e claro que os bons jornalistas como Roberto Almeida, Jodeval e Luis Clério Duarte, puxando a sardinha para as brasas de nossa região, têm, mesmo não concordando com eles certas horas.

Ontem encontrei o texto abaixo, originalmente publicado no Estado de São Paulo, da Dora Kramer, que tem como título: “O estilo desfaz o homem”. Quis dar o mesmo título ao este meu texto, mas como já havia escrito sobre a "seboseira" do Lula, resolvi apenas mostrar suas consequências. É um pena que uma pessoa que chegou a ter mais de 80% de popularidade, tenha cometido tais abusos no seu cargo. Feliz ou infelizmente, o eleitor típico da Dilma Roussef são os bolsas familiares, que não tem acesso a informação, pois seria muito bom que no próximo domingo, nós fizéssemos o apedeuta-mor sair da vida pública para entrar na história que ele merece. Vejam o texto em azul.

“Dora Kramer

Daqui a oito dias, no próximo domingo antes das 9h da noite, o presidente Luiz Inácio da Silva começará a vivenciar o passado, as urnas apontem a eleição de Dilma Rousseff ou de José Serra para lhe suceder na chefia da Nação.

É inexorável: eleito, as atenções se voltam para o novo, o próximo, aquele que de fato traduz mais que uma expectativa, representa o poder em si. Político baiano da velha guarda, Afrísio Vieira Lima tem a seguinte filosofia: "Ninguém atende ao telefone ou à porta perguntando quem foi, todo mundo quer saber quem é."

Pois é. Face à evidência de que a natureza humana não falha, o mundo político não foge à regra. No momento seguinte à proclamação do resultado, o País - quiçá o mundo - voltará toda a sua atenção para a fala, os planos, os gestos, as vontades, os pensamentos, a biografia, a família, os amigos e tudo o mais que diga respeito à pessoa que a partir do primeiro dia de 2011 dará expediente no principal gabinete do Palácio do Planalto.

Quando a gente vê um presidente tomar a iniciativa de se desmoralizar em público apenas porque não resiste ao impulso de insultar o adversário, a boa notícia é que falta pouco tempo para que esse estilo comece a fazer parte de referências pretéritas.

Abstraindo-se juízo de valor a respeito de Dilma e Serra, chegará ao fundo do poço que o presidente Lula se deu ao desfrute de frequentar na semana passada. Pela simples razão de que é impossível.

A novidade não esteve na distorção dos fatos - isso já faz parte da rotina. O ineditismo foi o desmantelo da farsa. Melhor dizer, das farsas, pois foram duas: uma engendrada com vagar, outra montada às pressas. Ambas malsucedidas, não duraram 24 horas.

No começo da semana, quando já se anunciara o adiamento do fim da sindicância da Casa Civil sobre Erenice Guerra para depois das eleições, eis que a Polícia Federal ressuscitou o caso da quebra do sigilo fiscal de parentes e correligionários do candidato Serra, anunciando a identificação do responsável: Amaury Ribeiro Jr., jornalista que à época do crime trabalhava no jornal Estado de Minas.

O PT tentou legitimar, assim, uma versão que fazia circular desde junho quando se descobriu que os dados fiscais do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, apareceram em um dossiê que chegou ao jornal Folha de S. Paulo como originário do PT.

A versão - não de todo inverossímil, diga-se - era a de que as informações haviam sido reunidas por Amaury a serviço do Estado de Minas para municiar Aécio Neves de dados contra José Serra, que, por sua vez, mandara investigá-lo.

Segundo um delegado e o superintendente da PF, Amaury dissera em seu depoimento que o trabalho visava a "proteger" Aécio. Antes da entrevista dos dois, o presidente da República anunciava que naquele dia a Polícia Federal teria novidades.

Pois no dia seguinte, sabe-se que nem Amaury estava a serviço do Estado de Minas na ocasião nem citara no depoimento o nome de Aécio Neves. Ou seja, o presidente Lula comandara uma falácia e a PF aceitara se prestar ao serviço, acrescentando que as investigações estavam encerradas.

Foi desmentida em seguida pelo Ministério Público, que avisou que a polícia não estava autorizada a determinar o rumo e os prazos das investigações.

Não satisfeito, depois da pancadaria promovida por petistas contra uma passeata do candidato tucano no Rio, o presidente resolveu acusar o adversário de ser um farsante. Precipitou-se, insultou o candidato em termos zombeteiros, desqualificou um médico de respeitável reputação, foi de uma falta de modos ainda pior que o habitual.

Isso tudo para quê? Para ser logo em seguida desmentido pelos fatos exibidos no noticiário de televisão com a maior audiência do País, o Jornal Nacional.

Tudo isso sem necessidade, pois pelas pesquisas sua candidata está com 12 milhões de intenções de voto de vantagem sobre o adversário.

Tudo isso pelo exercício de um estilo abusivo que não conhece limites, mas que daqui a oito dias começará a perceber que o poder passa e a ausência dele dói.”

Por mim, já vai muito tarde. E que não volte tão cedo. Para isto temos que votar no Serra.


Lucinha Peixotolucinhapeixoto@citltda.com

Nenhum comentário: