quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Entrevista do Lula com os blogueiros "camaradas"




Dediquei meu tempo hoje a ouvir com as “oiças” e ler com estes “óios” que a terra há de comer. Não posso dizer que perdi meu tempo com nenhuma das duas atividades. Na primeira, passei duas horas vendo a entrevista do meu conterrâneo Lula aos blogueiros “camaradas”. Não dá para comentar todos os assuntos que foram tratados pelos blogueiros e mesmo seria impossível acompanhar tudo que o Lula disse. Mas eu já sabia, como fala este rapaz. É pena que não tenha havido o contraditório para todas as respostas, embora eu não conheça a maioria do blogueiros presentes.

No entanto, uma coisa ficou líquida e certa, o Lula evoluiu muito, e não digo desde criança porque seria muito óbvio. Apenas me refiro à forma como ele responde as perguntas, com conhecimento dos assuntos, mesmo que eu não concorde com muitas delas. Por exemplo, quando ele diz que “o povo está mais sabido, e não serve de massa de manobra”, eu, se lá estivesse teria dito: “Menos aqueles que ainda vivem do assistencialismo governamental, que foi cooptado vergonhosamente, ao invés de esclarecido para uma escolha justa, mesmo ganhando a Dilma”.

Digo também que ele talvez não tenha evoluído no seu pensamento mais íntimo desde 1979 quando concedeu uma entrevista à revista Playboy, da qual reproduzo uma parte abaixo:

“(…)Playboy – Há alguma figura de renome que tenha inspirado você? Alguém de agora ou do passado?

Lula [pensa um pouco]- Há algumas figuras que eu admiro muito, sem contar o nosso Tiradentes e outros que fizeram muito pela independência do Brasil (…). Um cara que me emociona muito é o Gandhi (…). Outro que eu admiro muito é o Che Guevara, que se dedicou inteiramente à sua causa. Essa dedicação é que me faz admirar um homem.
Playboy – A ação e a ideologia?
Lula – Não está em jogo a ideologia, o que ele pensava, mas a atitude, a dedicação. Se todo mundo desse um pouco de si como eles, as coisas não andariam como andam no mundo. (…)

Playboy – Alguém mais que você admira?
Lula [pausa, olhando as paredes] - O Mao Tse-Tung também lutou por aquilo que achava certo, lutou para transformar alguma coisa.
Playboy – Diga mais…
Lula – Por exemplo… O Hitler, mesmo errado, tinha aquilo que eu admiro num homem, o fogo de se propor a fazer alguma coisa e tentar fazer.

Playboy – Quer dizer que você admira o Adolfo?
Lula – [enfático] Não, não. O que eu admiro é a disposição, a força, a dedicação. É diferente de admirar as idéias dele, a ideologia dele.
Playboy – E entre os vivos?
Lula [pensando] – O Fidel Castro, que também se dedicou a uma causa e lutou contra tudo.
Playboy – Mais.

Lula – Khomeini. Eu não conheço muito a coisa sobre o Irã, mas a força que o Khomeini mostrou, a determinação de acabar com aquele regime do Xá foi um negócio sério.
Playboy – As pessoas que você disse que admira derrubaram ou ajudaram a derrubar governos. Mera coincidência?
Lula [rápido] – Não, não é mera coincidência, não. É que todos eles estavam ao lado dos menos favorecidos.
(…)
Playboy – No novo Irã, já foram mortas centenas de pessoas. Isso não abala a sua admiração pelo Khomeini?

Lula – É um grande erro… (…) Ninguém pode ter a pretensão de governar sem oposição. E ninguém tem o direito de matar ninguém. Nós precisamos aprender a conviver com quem é contra a gente, com quem quer derrubar a gente. (…) É preciso fazer alguma coisa para ganhar mais adeptos, não se preocupar com a minoria descontente, mas se importar com a maioria dos contentes.”

Na mesma entrevista ele ainda fala das mulheres. Leia Lucinha, quando ele reproduz uma fala da Marisa e dá sua opinião sobre isto:

“MARISA - Um tinha boa intenção, outro, intenção ruim. E acabei conquistada pelo que tinha intenção ruim. Mas ele era gamado, viu? Vivia dependurado no telefone [gargalhada de Lula]. Eu só fugia, dizia que estava ocupada, que tinha de trabalhar, mas, no fim, acabava atendendo.

LULA - Charminho dela… O problema de mulher é você conseguir pegar na mão. Pegou na mão…”

Como a entrevista era à revista Playboy, não poderia faltar o sexo. Depois que li o texto do Diretor Presidente de ontem (veja aqui), vou seguir o conselho dele e ver a novela Araguaia. Mas, vejam o que o Lula diz:

“Playboy - Com que idade você teve sua primeira experiência sexual?

Lula - Com 16 anos.

Playboy - Foi com mulher ou com homem?

Lula (surpreso) - Com mulher, claro! Mas, naquele tempo, a sacanagem era muito maior do que hoje. Um moleque, naquele tempo, com 10, 12 anos, já tinha experiência sexual com animais… A gente fazia muito mais sacanagem do que a molecada faz hoje. O mundo era mais livre…”

Aí está o meu amigo de infância em carne, osso e molecagem, da qual privamos juntos por um bom tempo lá na Vargem Comprida. Eu...

O fato dele não citar os meus textos, que sei que ele lê, é apenas um detalhe. Mas, de qualquer forma, quando ele receber mais uns 10 títulos de Doutor Honoris Causa, a Lucinha Peixoto não vai mais poder chamá-lo de apedeuta-mor. Se tiverem minha paciência vejam o vídeo completo. Eu sei, eu sei, não precisam repetir que para ouvir o Lula falar duas horas, é preciso ter sido seu amigo de infância, pois sei que é dose para elefante. Mas esta atividade de blogueiro também exige sacrifícios. Para uma resumo interessante clique aqui .

A minha segunda atividade foi ler mais um artigo da série do professor José Fernandes, “A Revolução de Caetés – 2”. Eu nem sei se serei um contra-revolucionário, pois ainda penso que, mesmo citando o meu nome o Caetés a que ele se refere pode ser a dos antigos habitantes de nossa cidade vizinha, “Olinda, a marim dos Caetés”. Mas isto eu deixo para outro dia, pois o professor merece mais do meu tempo. No entanto, seria impossível citar o Lula acima, e não citar o professor José Fernandes, quando escreve, ao comentar uma promessa dos revoltosos de Canudos: “Quanto ao fornicar, eu penso diferente: a gente não fornica por vício. Fornica porque é bom e faz bem. Um colega costumava dizer, muito seriamente, que uma fornicada perdida hoje, não se recupera nunca mais. Porque a de amanhã já é outra.” Nisto, eu, o professor e o Lula, estamos todos de acordo.






Zezinho de Caetésjad67@citltda.com

Nenhum comentário: