quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

GENTILEZA FAZ A DIFERENÇA






Com o lema “GENTILEZA FAZ A DIFERENÇA”, dia 03 de dezembro de 2010, se comemora o DIA INTERNACIONAL DO DEFICIENTE. Em todos os ônibus da Região Metropolitana do Recife, ostenta um cartaz lembrete para a população sobre a gentileza e o carinho que se devem dar as pessoas com deficiência e que necessitam de nosso auxilio, não por pena, mas por consideração e amor a pessoa humana.

É uma data significativa, que deve ser lembrada e vivenciada todos os dias, haja vista, que ao sairmos às ruas deparamos sempre com pessoas que necessitam de ajuda, seja para atravessar uma avenida, descer um batente de calçada, subir uma escadaria, um assento nos ônibus e assim por diante e com carinho devemos supri-lo desta necessidade ajudando-os a viver melhor.

Infelizmente, a sociedade não coopera com estas pessoas, privando-os de uma melhor condição de vida do direito de ir e vir sem atropelos. Quem anda pelas ruas, vê a falta de apoio do Governo Municipal e Estadual em adotar medidas que amenize este sofrimento. É verdade que já esta havendo um grande avanço neste sentindo na melhoria do atendimento ao deficiente em nossas cidades, mais precisa mais um pouco de esforço para melhorar este sistema.

Quando andamos, verificamos a falta, em muitas ruas, prédios públicos e privados, de acesso para os cadeirantes, nos cruzamentos alarmes para os deficientes visuais, a fim de que se movimente com o atravessar da rua em segurança.

Esta semana na travessia da Rua do Sol para o calçadão do edifício dos Correios na Avenida Guararapes senti o desleixo com um cidadão deficiente visual ficar a espera de uma pessoa para ajudá-lo atravessar.

Tinha mais ou menos vinte a vinte e cinco pessoas para atravessar a Rua do Sol, quando o semáforo fechou todos adentraram na faixa e deixaram este cidadão em pé aguardando que alguém lhe auxiliasse.

Como estava perto e sem pressa conseguiu guiá-lo ate o outro lado, o que me agradeceu.

- E perguntei!
- O Senhor vai para onde?
- Eu posso ajudá-lo?
- Já me ajudou bastante atravessando a avenida em sua companhia, disse. E, ao mesmo tempo criticou as autoridades em não dotar a cidade com instrumentos para pessoas iguais ele que necessitam de apoio.
- Eu vou para o Correio, não é aqui?
- Sim, vou com o Senhor ate a escada.
- Não precisa, disse ele, a sua bondade e solidariedade compensa o que o Senhor já fez por mim. Vá com Deus, riu.

Deixei-o na escadaria e segui em direção a Rua da Palma, para a Livraria Paulina indignado com a falta de caridade e de amor ao próximo.

Outro dia foi um cadeirante querendo subir uma calçada, sem que ninguém o ajudasse apesar de todo esforço no manejo da cadeira de rodas, não era possível transpor aquele obstáculo, mais neste mundo de meu Deus existem muitas pessoas de bom coração.

Dois jovens que iam passando viram aquela cena e o esforço do cidadão cadeirante, não pestanejaram e ajudaram colocando-o em lugar seguro e seguiram para o seu destino.

Fiquei pensando e acredito que já exista uma Lei que beneficie o Deficiente, obrigando a acessibilidade para todos, em prédios públicos e privados, nas ruas a fim de diminuir o sofrimento destas pessoas, no entanto esta Lei não é cumprida.

O Governo tem dado a sua colaboração, informando e mantendo um trabalho para beneficiar o DEFICIENTE, mas a maioria da população ignora este fato, pensando somente em seu próprio ser.



José Antonio Taveira Belo / Zetinho - taveirabelo@hotmail.com

Nenhum comentário: