quinta-feira, 17 de março de 2011

Jodeval, as carpideiras e os bobos da corte



Ontem, o Zé Carlos, com mil desculpas esfarrapadas, nos enviou dois números da A GAZETA, o 282 e 283. Agora o Luis Clério envia dois exemplares do jornal para a casa dele, e que, algumas vezes o Zé Carlos, a volta com seu blog não tem tempo de repassar. É óbvio que, com o meu interesse político em Bom Conselho, não posso me furtar à leitura do prestigioso órgão de nossa imprensa.

Mas, desde as querelas políticas que tive com o Jodeval Duarte, seu editorialista, o que leio primeiro é o editorial. Todos sabem que o editorial de cada jornal, espelha um resumo de ideias de sua equipe, antes de refletir as ideias de quem o escreve. Neste caso, eu imputo, como ele o fez certa feita, a autoria dos editoriais da A GAZETA, ao Jodeval Duarte. Não sei se o Luis Clério compartilha das mesmas ideias, em termos de política nacional e estudual, pois ele só deixa transpaparecer aquelas relativas à política atual do município, quando se coloca como um defensor intransigente da Prefeita Judith Valéria.

Fiquemos com o Jodeval então. Semana passada me lembrei dele ao comentar sobre a defenestração do Emir Sader do Ministério da Cultura. Eles agora tem a mesma missão. Os dois são adeptos do que eu chamei de Marula. É uma seita recente, para efeitos históricos, tentando mostrar que o lulismo é a fase superior do socialismo, e não o comunismo. A teoria desenvolvida por sociólogos marxistas, anjos decaídos do socialismo real, e agora sem poder defender mais ditaduras cubanas e coreanas, elegeram o Brasil de Lula como uma visão desta fase, onde, com um operário na presidência, chegou a vez do povo e dos pobres, desafiando todos os processos históricos do capitalismo.

Para o Jodeval e para pessoas como o Emir Sader, é só uma questão de manter um pouquinho mais o PT no poder e entraríamos no paraíso, junto com a classe operária. O que eles não sabiam é que “alegria de pobre dura pouco”, e que a classe operária hoje, prefere as viagens internacionais à greve ou à luta de classes.

No número 282 do jornal, o Jodeval, chega à conclusão brilhante de que, se os blogs são usados para o bem eles fazem o bem, e se são usados para o mal eles fazem o mal. O exemplo disto, segundo ele, foram as calúnias e difamações que foram feitas à presidenta durante o processo eleitoral. E tudo é dito como se somente ela tivesse sofrido ataques por parte da mídia. Pelo jeito, os ataques não foram tão grandes ao ponto de fazer a presidenta perder as eleições. O que ficou claro, e agora está mais claro ainda, pelo menos para as pessoas que tinham um pouco de “coisa” na cabeça além de ideologias superadas, era o estelionato eleitoral cometido sobre o povo brasileiro tendo como principal mentor o apedeuta-ex-mor Luis Inácio.

O grande drama hoje da presidenta é não poder dizer a verdade, se tornando uma cúmplice do seu antecessor na tarefa de iludir o eleitorado brasileiro, com uma situação econômica que só quem não sabia eram aqueles que usaram esta frase lapidar: “eu não sabia”, para se safar do maior ato de corrupção, nunca visto na história deste país, que foi o mensalão. E, a presidenta, depois de participar de todo este processo de enganação, agora quer consertá-lo bancando a cega, surda e muda, além de algoz dos trabalhadores, a quem prometeu um salário mínimo com crescimento real, e não cumpriu, o que não acontecia desde 1997.

E agora escancarou o neoliberalismo que se mantém como política econômica desde FHC, cortando 50 bilhões de reais do orçamento do apedeuta, que o Jodeval acha que “representam um impacto gigantesco”. Ao mesmo tempo injeta 55 bilhões de no BNDES, também aumentando o Bolsa Família, como que para compensar o que se podia chamar de Bolsa Eleitoral (Bolsa Banqueiro + Bolsa Família). A primeira ação apenas mostra o tamanho do estelionato eleitoral, e a segunda mostra que ele continuará até 2014. Com o lema, agora mais explícito de “Banqueiros e Pobres unidos jamais serão vencidos”, tenta trazer ao poder o apedeuta, como o D. Sebastião de Caetés (desculpe Zezinho!), colocando a Marula, em ação, em nosso continente. Será uma revolução social e tanto. Os pobres ganhando 1000 dólares mensais, e os banqueiros ganhando a maior taxa de juros do planeta, enquanto a classe média vai a Miami comprar buginganga. Já se fala em treinamento dos “Che Guevaras” tupiniquins para exportar o Marulismo. Zé Dirceu, Delúbio, Genoino (agora ministro da defesa) farão a sua parte.

O Jodeval, certamente, depois destes editoriais, irá carpir em Cuba as barbas do Fidel, por ele ainda não ter adotado a seita Marula e numa abertura qualquer do PCC (não interpretem mal, é Partido Comunista Cubano. Será coincidência?) que: “Na verdade, o que está revelando a primeira presidenta do Brasil é muita seriedade, firmeza, coragem, capacidade de enfrentar as dificuldades com a coerência de uma pessoa que tem compromisso com a nação.” E eu diria, a mesma que o apedeuta-ex-mor não teve, ao escancarar as arcas do tesouro para elegê-la.

É uma pena que o substantivo “carpideira” seja só feminino. Pois cairia como uma luva no próprio Jodeval, que já começa a chorar sobre o leite derramado, prevendo o crescimento pífio, o aumento da inflação, a deterioração dos salários e outras consequências da herança maldita recebida pela presidenta do apedeuta-ex-mor. Agora Lula nunca fez nada de ruim, o que a Dilma está tentando consertar é culpa do Pedro Álvares Cabral e do Pero Vaz de Caminha, com aquela sua carta pedindo emprego para o genro. Pediu e deram. E segundo o Jodeval: “Dilma não tem poder para cortar tudo isso, até porque tudo foi feito – ou é feito – de acordo com a lei. Isto é: os deputados e senadores que elegemos é que construíram esse país que aí está, cheio de penduricalhos que poderiam ser extintos e o Brasil se transformar numa República de fato e de direito.”

A Dilma hoje, como o Lula antes, detêm a maioria da Câmara e Senado e pode até proclamar-se rainha e trazer de volta o trabalho escravo, para se igualar a Princesa Isabel. Por que não transformaram o Brasil naquilo com que o Jodeval sonha? Simples, porque para a Marula funcionar, não pode haver República e sim feudos e reinos, com rainhas, condes, duques, barões, nobres e plebeus. E nela o Emir Sader e o Jodeval, terão seus títulos. E o povo brasileiro será o Bobo da Corte.

Lucinha Peixoto lucinhapeixoto@citltda.com

2 comentários:

Altamir Pinheiro disse...

É PRECISO QUE O POVO SAIBA QUE EM 2009 O SEBOSO DE CAETÉS INJETOU R$ 100 BILHÕES("B" DE BOLA) NO BNDES; EM 2010: R$ 80 BILHÕES E, ESTE ANO, A BRUXA SAPECOU 55 BILHÕES LÁ DENTRO; TODA ESSA GRANA(235 BILHÕES, GENTILMENTE ROUBADA DO TESOURO), PARA SER EMPRESTADA A UM TAL DE EIKE BATISTA E UMA CORJA DE BANQUEIROS(INCLUSIVE O SÍLVIO SANTOS). DURMA-SE COM UM SOSSEGO DESSE...

Lucinha Peixoto disse...

Obrigada, pela informação que complementa o artigo, meu nobre "guerrilheiro".
Agora, quando quero noções mais precisas de Economia estou indo ao seu Blog, menos no sábado é claro. Um abraço.

Lucinha Peixoto