quarta-feira, 13 de abril de 2011

Minha Casa, Casa de Mãe Joana



Quando eu falava, junto com toda torcida do América, da herança maldita deixada pelo meu conterrâneo Lula para conseguir levar o poste até o planalto, alguns nos acusavam de está sendo precipitado, por querer que um governo com menos de 100 dias se mostrasse 100%. Não era precipitação. Era a realidade que doeu durante todo o ano passado, de gastança infindável, que desequilibrou a economia brasileira que bem ou mal manteve-se num bom rumo por um bom tempo, graças a boa fase da economia mundial até a crise de 2008.

O grande problema foi sustentar a “marola”, para deixar o PT no poder. Agora, em casa que não tem pão todos choram e ninguém tem razão. Veja a postagem do Josias de Souza de ontem em seu Blog, que tem o sugestivo título de: “Equipe econômica de Dilma virou um ‘saco de gatos’”.

“Ninguém disse ainda, talvez por pena, quem sabe em respeito à curta duração do governo. Mas urge alardear:

Sob Dilma Rousseff, a equipe econômica converteu-se num vistoso saco de gatos. Os miados são dissonantes. As unhadas ocorrem sob refletores.

Na semana passada, falando a um grupo de 200 industriais, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, acionou as garras contra a política cambial do “seu” governo.

Disse que, a pretexto de conter a inflação, Brasília abandonou a ideia de segurar o câmbio. Algo que destrói a industria nacional. Convidou a audiência a reagir.

Mais: confidenciou à platéia que não está só. Acompanham-no na divergência os ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento) e Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia).

Pois bem. Nesta terça (12), Coutinho voltou a miar fora do tom. Deu-se na China, em meio à viagem oficial da “chefe” Dilma Rousseff.

O mandachuva do BNDES repisou a tecla: o governo precisa ser mais tenaz no esforço para conter a sobrevalorização do Real frente ao dólar. Soou assim:

"Temos que utilizar nossas ferramentas disponíveis para mitigar a apreciação excessiva"...

“...Eu creio que o BC e o Ministério da Fazenda estão tentando fazer isso e acho que eles deveriam intensificar esse tipo de ação para impedir apreciação excessiva".

Coutinho não foi o único a reincidir na rebeldia. Sérgio Gabrielli, o presidente da Petrobras, também fez ressoar seus miados na China.

A despeito dos desmentidos dos pseudosuperiores hierárquicos Guido Mantega (Fazenda) e Edison Lobão (Minas e Energia), Gabrielli repetiu: o preço da gasolina pode tomar o elevador:

"Se o preço do petróleo ficar nesse nível que está hoje [mais de US$ 120 o barril], estável nesse nível, você vai ter de alterar [o preço da gasolina]”.

Por quê? “Nós estávamos trabalhando com [a cotação do barril a] US$ 65 a US$ 85”, disse Gabrielli.

Ele prosseguiu: "Que o preço vai ficar alto, parece que sim. O problema é o grau de variação que esse preço está tendo em torno de determinado patamar...”

“...Enquanto estiver variando muito, não tem como tomar decisão". Comparou a Petrobras a uma casa de repastos:

"O preço no menu do restaurante não aumenta porque o preço da carne subiu no dia. Leva um tempo pra mudar o preço da carne no prato".

Num governo com 39 ministérios e uma infinidade de estatais, é natural que ocorram divergências.

O desencontro de opiniões, além de normal, é salutar. O problema está no método.

O local adequado para a exposição das desarmonias é a sala de reuniões, não a praça pública.

Do modo como vem sendo exposto, o pensamento do governo torna-se biangular. As ideias são trapezóides. O diálogo é multidimensional. A gestão é estroboscópica.

Ou dona Dilma engaiola os gatos e põe ordem na casa ou ficará muito parecida com uma velha senhora: a mãe Joana.”

Já era uma casa de mãe Joana, mesmo antes, da posse de Dilma, a economia brasileira, e não é minha casa minha vida, e sim meu saco de gatos, meus algozes. Vai ser muito difícil continuar com todos os desequilíbrios, se a presidenta não deixar de bancar a mãe, Joana ou não, e faça prá valer os ajustes necessários. Mas, será que o PT deixa? Vai largar o osso? É o que devemos acompanhar de olhos bem abertos.

Zezinho de Caetés

Um comentário:

Altamir Pinheiro disse...

O PIG (PARTIDO DA IMPRENSA GOVERNISTA), ANDA CRIANDO À FANTASIA DA PRESIDENTE COMEDIDA, COMPROMETIDA APENAS COM A EFICIÊNCIA, QUE JAMAIS DÁ UM PASSO EM FALSO PORQUE É SÉRIA, INTELIGENTE, COMPENETRADA, SEVERA, AUSTERA, PONTUAL, ECONÔMICA, ESTUDIOSA, RIGOROSA, UMA VERDADEIRA MARIA IMACULADA, A TODA-PURA, A SEM-PECADOS. ENQUANTO ISSO, A FARRA COM OS CARTÕES CORPORATIVOS NOS 100 PRIMEIROS DIAS TEVE UM AUMENTO DE 20,6% COM REEFERÊNCIA AO ANO ANTERIOR. QUER DIZER, NÃO HÁ NADA QUE NÃO SE POSSA PAGAR QUANDO SE TEM CARTÃO DE CRÉDITO...