domingo, 8 de maio de 2011

Dia das Mães



Só porque sou uma defensora do progresso contínuo do nosso gênero, em todos os setores de atividade, sempre que temos um dia no qual se referencia este Ser que é a mulher, me incumbem de escrever sobre. Nem sempre as mulheres ficam satisfeitas, pois como não passo a mão na cabeça dos homens que erram e continuam no erro, faço o mesmo com as mulheres, inclusive, para ser justa, comigo mesma.

Biblicamente se diz que fomos feita de uma costela do Adão, o que os religiosos, como eu, que seguem os ensinamentos bíblico, dizem que Deus fez assim para tornar a mulher um ponto de equilíbrio entre a cabeça e os pés dos homens. Literalmente, a Bíblia diz cada coisa que sempre me levou a pensar nela como a palavra de Deus dita em metáforas, para não blasfemar.

As religiões, inclusive a minha, nunca deram o real valor à mulher. Mesmo o catolicismo, onde o culto à Santa Mãe de Jesus, a Maria, de vários milagres, dogmas e várias denominações, nunca teve o tratamento merecido do ponto de vista da relação entre os gêneros. Não que eu tenha nada contra São José, pois dei o seu nome até a um filho meu e sempre fui devota da Sagrada Família, desde as missas onde o Padre Alfredo alfinetava o Coronel Zé Abílio, dizendo que havia ladrão de cavalo presente. Poderia nem ser o Coronel, mas, como vocês sabem, da mesma forma que onde tem crianças, gente grande não solta pum, onde tem coronel, tudo que acontece é culpa dele.

Entretanto, desde que o mundo é mundo sempre passamos a perna nos homens numa função essencial para a raça humana. Ser mãe. Dar à luz. Gerar uma criança no ventre, como foi gerado Jesus por Maria. Nesta são José e outros do gênero não podem contar vantagem. Ao invés do poeta que diz ser mãe é padecer num paraíso, pois ele só ver o filho, na relação com os machos, ser mãe é dominar a raça humana, com mais força do que o Barack Obama domina o mundo. E atualmente, esta vantagem aumenta muitíssimo pois as mulheres nem precisam de um parceiro macho para se candidatar a esta função nobre. Tanto podemos gerar crianças como deixar de gerá-las, ao nosso bel prazer. Isto não quer dizer que estamos pregando ou divulgando que as mulheres deveriam fazer o que quisessem sem meditar sobre as consequências. Existem princípios éticos e religiosos que devem ser preservados em relação à maternidade para que a humanidade não seja extinta, ou venha a sofrer muito mais, inclusive nossos filhos. Questões como homossexualismo, aborto, casamento, domínio do corpo, nem sempre são coisas fáceis de tratar. Mas, grande parte do nosso gênero já transita muito bem sobre elas. E nem de longe quero tratar disto num dias das mães. Continuemos com o glamour.

Já li hoje a A Gazeta Digital, e o Zé Carlos já postou o que escreveu, ou não escreveu, sobre mães (veja aqui). Como sempre, nestes casos citam-se poetas, e os que ele citou são bons em cada estilo. Eu vou de prosa. Encontrei num blog (veja aqui) o seguinte texto, que é um pouco longo, mas isto prova que nem sempre comprimento é prolixidade, como no meu caso.

“Mãe

A mãe pode do alto de sua plenitude agir seguramente de diversas maneiras na educação dos filhos. Ela pode prometer ou desprometer, castigar ou recuar do castigo. Ela pode pedir com carinho, ordenar com severidade, ameaçar disso ou daquilo. Não importa, nada trincará sua imaculada imagem ou a removerá de sua função de mãe.

A mãe tem característica absolutamente própria que a classifica de acordo com seus métodos de atuação no momento de corrigir ou educar as crianças. Vai depender de como ela se comporta e de quais das artimanhas que Deus lhe deu, ela vai fazer uso:

1. Mãe do tipo frágil, de corpinho fininho e pouquinho cabelo, com voz baixinha e pausada quando precisam ganhar numa argumentação apelam pela ameaça: “Vou contar tudo para o seu pai quando ele chegar. Você vai ver só!” Note-se que ela usou o verbo “contar” em vez de conversar, além disso, acrescentou o advérbio “tudo”, dando a conotação de que há MUITA coisa errada para ser revelado ao pai. E esse “Você vai ver só!” parece uma ameaça pré-estabelecida para a criança não teime em persistir com o que estava fazendo.

2. A mãe ditadora não argumenta. Ela dita as regras e exige que tudo seja seguido à risca. Num momento de impasse ela logo procura preencher cada espaço não deixando para o filho nenhuma possibilidade de argumentação: “Meu filhinho querido não queira criar um caso agora com um assunto que já foi decidido muito antes de você nascer!”. Note-se que o filho não participou da decisão citada e não há nenhuma possibilidade dessa decisão ser modificada. Pelo menos por enquanto...

3. A mãe chantagista não argumenta também, ela nunca se presta a exposição quando os problemas aparecem. A mãe chantagista é sempre demasiadamente carinhosa e atenciosa e não deixa ninguém à deriva Mas quando se encontra encurralada, chora. Chora e observa os filhos para que eles se compadeçam de sua dor. “Coitadinha da mamãe” Percebe-se que quando ela apela pelo sentimento do filho, ela normalmente consegue seus objetivos. Pelo menos por algum tempo...

4. A mãe protetora está sempre onde está a prole. Atenta a tudo e a todos, ela não deixa escapar nada. Se alguém ousar afligir sua criança (não importando a idade da criança), ela desce do salto e arma o barraco. Se for preciso entra em luta corporal para defender sua cria: “Aqui não meu caro, em filho meu ninguém põe a mão! Se a criança for pequena é possível entender essa tomada de frente, mas se o filho já for adulto torna-se evidente que ela não deixou para ele nenhuma possibilidade de, ele mesmo, resolver seus problemas.

5. A supermãe é aquela que está em todos os lugares ao mesmo tempo. Prestativa e amorosa ela nunca se cansa e não demonstra contrariedade diante de situações embaraçosas. Normalmente é muito educada e consegue tudo o que quer dos filhos, e dos amigos também: “Já deixei sua calça no tintureiro, tirei as cópias que você vai precisar para seu trabalho da faculdade, fiz um jantar gostoso daqueles que você adora, e amanhã vou levar seu carro para consertar o estepe”. Ajuda tanto os filhos que nunca tem tempo para ela, mas isso não a incomoda, pois essa prestatividade é o que lhe agrada.

6. A mãe ameaçadora não conversa e não dá moleza, ela vai logo ameaçando caso não seja seguido o que estava combinado: “Não invente nenhuma balada para hoje à noite senão o bicho vai pegar aqui em casa, hein!” Ameaçar é o forte de uma mãe desse tipo, embora ela nunca tenha cumprido nenhuma ameaça. Pelos menos ainda não...

7. Mãe carinhosa, exageradamente carinhosa. È claro que já viu uma dessas. Nas salas de espera dos consultórios pediátricos há sempre esse tipo de mãe. É fácil reconhecê-la, pois ela está sempre fazendo carinho nas mãozinhas das crianças, afagando os cabelinhos, massageando os dedinhos dos pés, etc. E quando os filhos crescem, ela continua incansável na arrumação dos cabelos deles, ajeitando o colarinho, a gravata. A mãe carinhosa precisa estar sempre em contato físico com a criança dizendo coisas boas e sinalizando positivismo. Enquanto for possível...

8. Em quase todos os casos a palavra foi a regência dessa relação, mesmo quando a relação é ditatorial. É por força da palavra que a argumentação supostamente protetora ou ditadora acontece. Sendo assim pode-se reconhecer o exagero do qual a maioria delas faz uso para tentar conseguir o que almeja sem muitas explicações ou conversas:

“Se você não estudar e vier com nota baixa eu te mato!”

“Come tudo senão eu faço você engolir esse prato”

“Desce daí senão eu amarro você e aí sim você nunca mais vai subir em lugar nenhum!”

“Pára de chorar senão eu te dou uns tabefes e aí sim você vai ter razão para chorar!”

“Desliga essa televisão e vai tomar banho senão eu jogo a TV pela janela!”

“Se você não se comportar na igreja, nunca mais sai de casa!”

“Cuida do seu tênis que custou muito caro, senão você vai andar de chinelo para o resto de sua vida!”

“Se eu vir você mascando essa porcaria de chiclete outra vez, faço você engolir!”

“Se fizer xixi na cama outra vez, vai passar a dormir no chão!”

“Nunca mais fale palavrões nesta casa, senão corto a sua língua!”

“A próxima vez que você deixar essa torneira ligada eu dou seu cachorro para doação”

“Se não vai mesmo escovar esses dentes então vou mandar arrancar um por um”.

Calma!

É claro que tudo isso é força de expressão. E que mãe que é mãe não tem coragem de cumprir nenhuma dessas ameaças exageradas.

Elas mudaram muito com o tempo. Algumas saíram da cozinha, outras de casa para ajudar o marido no orçamento doméstico.

Hoje em dia elas estão se cuidando, procurando se atualizar para acompanhar a evolução dos filhos. Muitas estão plugadas também com os amigos das crianças, e cobram participação de toda a família para que a educação seja dada em conjunto pelos pais, avós, tios e padrinhos, além dos professores.

Prontas para a vida. Prontas para a maternidade. Prontas para o lar. Prontas para o trabalho externo. Prontas para amar, sempre.

O ato de ser mãe é insuperável, inigualável! E o de ser filho então, nem se fala...”

Parabéns a todas as mamães de Bom Conselho, que sendo nossa aldeia contém todas as mães do mundo.

Lucinha Peixoto

Nenhum comentário: