sábado, 21 de maio de 2011

E Antônio Palloci continua...



Como é bom ser um jornalista e escrever bem como o Sandro Vaia. Ele vai ao ponto, ao cerne de cada questão, enquanto eu pobre mortal tento, tento e tento, com milhões de palavras dizer que ele disse com uma eficiência de dar inveja. Leiam o texto abaixo e eu lhes espero lá embaixo, no local onde quase estou morando agora, que é a frente da casa do caseiro Francenildo Pereira, que diante do acontecido com o Palloci, está comendo o prato da vingança, e parece que não está tão frio assim.

“Francenildo Pereira, o caseiro da República de Ribeirão Preto, casa em Brasília onde Palocci e sua turma faziam algumas travessuras, foi obrigado a explicar os 38.860 reais que apareceram em sua conta corrente depois que ele testemunhou que o ministro frequentava a casa.

O sigilo de sua conta corrente foi quebrado criminosamente por alguém cujo nome nunca saberemos, porque havia a suspeita que o dinheiro teria sido depositado por alguma entidade secreta que queria criar embaraços à vida pública do ministro.

O dinheiro, soube-se depois, fora depositado por seu pai e a quebra do sigilo foi atribuída a uma ordem de Palocci, que perdeu o cargo de ministro da Fazenda (mas não o de eminência parda) e mais tarde foi absolvido da acusação na Justiça.

Outro suspeito da quebra de sigilo, o então presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso, também saiu ileso do episódio.

A circulação extraordinária de 38 mil reais pela conta bancária do caseiro que não ganhava mais de mil reais por mês, dizem, chamou a atenção do COAF, Conselho de Controle das Atividades Financeiras, que investiga lavagem de dinheiro e crimes afins.

A esse mesmo COAF não pareceu estranho que durante os 4 anos em que amealhou 900 e tantos mil reais de salários como deputado, o ex-ministro Palocci efetuasse compras de imóveis no valor de pouco mais de 7 milhões de reais.

Os negócios imobiliários de Francenildo Pereira são bem mais modestos. Resumem-se a um lote de terreno na cidade de Nazário, a 25 quilômetros de Teresina, capital do Piauí, comprado por 2.500 reais e atualmente avaliado em 8 mil reais. (Caseiros também sabem fazer negócios imobiliários rentáveis). Candidamente, ele perguntou:

-Por que ele (Palocci) não explicou de onde veio o dinheiro? Na minha época, eu tive que explicar.

A pergunta, de uma lógica arrasadora, resume de forma bem esquemática a espécie diferenciada de tratamento que se dá no Brasil às pessoas normais e às pessoas que gozam de privilégios políticos, sociais ou econômicos que as tornam diferentes das demais.

Isso sim é que é gente diferenciada, não os futuros usuários do metrô de Higienópolis.

O enriquecimento fulminante do ex-ministro da Fazenda e atual ministro da Casa Civil virou o assunto político da semana e empurrou para o segundo plano a discussão do Código Florestal,além de transformar a crise da ministra Ana de Hollanda numa (para usar uma expressão cara ao companheiro Delúbio) piada de salão.

Provável vítima de fogo amigo, já que poucos duvidam que Palocci tenha mais inimigos dentro do PT do que fora dele (a prova é que, no episódio, ele foi mais afagado pela oposição do que pelos próprios companheiros), o ministro enroscou-se numa explicação vaga de uma empresa de consultoria e uma nota desastrada acusando outros ex-ministros (que por sinal continuam sendo ex) de também terem enriquecido.

O ministro parece não ter entendido direito que ninguém o acusa de nada e que enriquecer não é pecado. Basta explicar os 7 milhões, assim como obrigaram o Francenildo a explicar os seus 38 mil reais.”

Ainda aqui, batendo um papo com o Francenildo, eu o pergunto: “Francenildo, você não tem pena da Dilma, vai ficar com sem o seu ministro da Casa Civil, favorito de Lula, o que ela fará então, se o Palloci hoje já carta fora do baralho?” Ele não me responde, mas eu posso imaginar um boa resposta para ele:

- Caro Zezinho, o que tem mais ai é candidato a Ministro da Casa Civil, e com muita experiência. O Zé Dirceu, a Erenice Guerra, o Lula mesmo, que anda doido atrás de um cargo para ele dá suas rasteiras oficialmente e até mesmo o Delúbio, pois se a principal tarefa deste ministério é fazer conluio, ninguém tem mais experiência do que o Delúbio. Se este não der certo, só mesmo o Marcos Valério, que é professor da matéria.

É isto ai. O caseiro está certo mais uma vez. O errado está o governo. Vi hoje a nota no Mural da AGD, que está se tornando um ponto de encontro político, que o Zé Carlos ficou preocupado com o destino do seu neto porque fizeram um pacto para salvar Palloci sacrificando o Código Florestal. Será que isto é verdade?

Eu não sou um “verde” como a Lucinha foi um dia e ainda tenho meios receios em relação a Marina Silva, mas, não se pode brincar com o futuro do planeta para salvar Palloci. Sei que há necessidade de convivência entre o agronegócio e o meio ambiente, e para isto uma intervenção do setor público, através de leis adequadas é fundamental. Sem agronegócio morreremos de fome e sem o meio ambiente morreremos de sede. E barganha política tem seus limites éticos senão qualquer democracia se distorce ao ponto de que nos arrependamos de viver numa. Espero que isto não seja verdade e que o poste não apague a luz vetando coisas que foram envolvidas nessa barganha sórdida.

Quando era jovem li um livro (seria do Orígenes Lessa?, não me lembro) chamado “E João de Deus continua...”. Era a história de um homem que morreu e seu espírito ficou vendo tudo que se passava e ele não poderia interferir, e era angustiante, pois ele era o narrador. Agora vejo o Palloci, já no caixão político, velado por toda a cúpula do PT. Tenho vontade de escrever: “E Antônio Palloci, continua...”.

Zezinho de Caetés

Um comentário:

Altamir Pinheiro disse...

ANTES DA PERNICIOSA DILMA “MALINAR” OU FAZER ACORDO ESPÚRIO COM SUA TROPA DE CHOQUE DESSE DESASTRADO CONGRESSO A RESPEITO DO CÓDIGO FLORESTAL, DEVERIA FAZER UMA PROFUNDA ALTERAÇÃO EM SEU CURRÍCULO E INCORPORAR CURSOS DE JARDINAGEM E MANEJO FLORESTAL(OU ENTÃO TOMAR AULA COM MARINA OU CONSULTAR OS ESPÍRITOS DE CHICO MENDES), PARA DÁ SEU AVAL NUM ASSUNTO DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA O FUTURO DA HUMANIDADE QUE É A DEVASTADA AMAZÔNIA. ENQUANTO ISSO, O POVÃO NÃO TÁ NEM AÍ COM O DESMATAMENTO OU COISA QUE O VALHA. TODO MÊS TEM SUA LAMINHA NO BOLSO QUE VEM DO BOLSA. SÓ É PASSAR O CARTÃO: PRÁTICO, NÃO!!! CÔMODO, NÃO!!! FUNCIONAL, NÃO!!!