quinta-feira, 26 de maio de 2011

Ele voltou, o apedeuta voltou novamente...



Ontem, enquanto dava o “gagau” a meu neto, esperando Insensato Coração, para ver as peripécias do Léo, até ele chegar ao Congresso, vi uma cena horripilante, terrorífica, catastrófica mesmo. O Lula saindo da casa do Sir Ney, sim, aquele mesmo que acha que o porquinho não fez nada de errado, e posando para uma foto.

Lula, o ex-apedeuta-mor, não porque fala ou escreve mal, mas porque se vangloria disso e incentiva nossas crianças a falarem nossa língua de forma errada, como se isto fosse uma condição sine qua non, para ser presidente, estava ao lado do anfitrião, Sir Ney, notou aquela figura apagada lá por trás, enquanto ele brilhava à frente do pelotão.

Era nada mais e muito menos o Vice-presidente da República, o Michel Temer. O que fez o boêmio em sua volta? Como um Carlinhos de Jesus, pega o marido da Marcela pelo braço, puxa-o contra si, aí eu gelei... Meu marido já olhava para mim e eu já nem via o meu neto, pois o bichinho já sugava a mamadeira vazia. Ambos, nós três, eu, meu marido e meu neto se ainda estivesse acordado, estávamos em estado de choque pela perspectiva do que iria ocorrer:.

Iria o Lula dá um bofetão no vice-presidente por ele não ajudar a presidenta (coitada!) na crise? Iria ele dá um beijo carinhoso por acreditar no que o Temer diz, que a ajuda diuturnamente e até noturnamente? Iria ele jogá-lo nos braços do Sir Ney, dizendo, toma que o filho é teu, ou “quem pariu mateu que balance”? Iria dançar com ele a Valsa da República Distraída ou atacaria com Nelson Gonçalves, com a “Volta do Boêmio”?

Graças a Deus, nossas feições melhoraram bastante quando vimos que ele apenas puxava o Temer para sair melhor na foto. Não havia nada a temer. Mas, eu pergunto: será que não?

Não estaríamos nós já entrado no Terceiro Reich, ou melhor, Terceiro Reinado do Lula? Pelo menos, pose de rei ele já tem. Ou já começou, ou ele fez este papel com tanta desenvoltura que nada tem a dever ao Carlos De La Vechia, representando o Rei Augusto de Seráfia, em suas andanças por Brogodó.

É uma pena que há tanto tempo eu esteja querendo pagar a promessa que fiz ao Alexandre Marinho, que parece ser o melhor candidato a prefeito de Garanhuns (sem queirer me meter, como sempre na política interna de outros países), que seria a primeira a falar bem de Dilma, se, por acaso algum dia ela merecesse. Até pensei no início do governo, pela sua postura recatada em relação ao apedeuta, sua firmeza em algumas questões, seria questão de pouco mais de 100 dias para dela falar bem e cumprir minha promessa. Infelizmente, era tudo uma ilusão. O Lula sempre esteve puxando os cordões por trás, como já estava tudo combinado. Primeiro de forma discreta. Agora, depois do Palocci aprontar mais uma, e da desorganização política em que se encontra o governo, não houve jeito: O Boêmio voltou novamente.

E já está saindo bem na foto outra vez. Sem gravata, despojado, risonho, mandão, como o diabo e a patuleia gosta. Meu Deus, para onde iremos agora? Só chamando o Horácio Cortez.

Lucinha Peixoto

------

(*) A foto animada foi obtida no Blog do Josias de Souza.

Um comentário:

Blog do Roberto Almeida disse...

Lucinha,

Só queria dizer que continuo achando o Blog da CIT muito bom, um dos melhores. Mesmo quando discordo de algum de vocês não posso deixar de admirar o texto preciso, com estilo. Gostaria de esclarecer também que joguei a postagem de Cléo Pires com a intenção deliberada de chamar a atenção, chocar, atrair comentários, estimular a discussão. Concordo com você que a posição mais acertada é a mulher lutar pela fidelidade dos dois. Grande abraço.