quarta-feira, 25 de maio de 2011

Nem no céu nem na cadeira abaçaí



Normalmente, quem vive nesta vida de labutar no meio digital e comunicação eletrônica pela internet recebe e-mails aos montes. Agora nem as classifico por assunto e sim pelo mandante. Veio de fulano, lixeira. Veio de sicrano, arquivo morto. Veio de beltrano, leio. E vindo da Prefeita Judith Alapenha, ou “Mamãe Juju”, como está mais conhecida agora, eu leio e medito.

A última que ela me mandou, não só para mim, não tenho este prestígio todo, mas, para uma lista enorme, tinha como assunto DEZ COISAS QUE DEUS NÃO VAI PERGUNTAR NAQUELE DIA, que eu presumo seja no dia em que batemos as botas e vamos falar com uma entidade lá em cima. A Mamãe Juju, sendo prefeita, não me mandaria umal ista sobre perguntas que o Diabo faria, se por ventura o meu destino fosse outro, além do céu. Eu agradeço a prefeita pela deferência. Embora, não saiba se farei a entrevista no purgatório. Mesmo sendo católica praticante, talvez faça um estágio por lá.

Mas vamos às perguntas de Deus, e tenha todo o cuidado. Dizem que o Diabo não faz nem perguntas. É ferro e fogo direto.

1... Deus não vai perguntar que tipo de carro você dirigiu. Ele vai perguntar quantas pessoas você levou que não tinham transporte.

2... Deus não vai perguntar o tamanho da sua casa. Ele vai perguntar quantas pessoas você recebeu na sua casa.

3... Deus não vai perguntar sobre as roupas que você tinha no seu roupeiro. Ele vai perguntar quantos você ajudou a vestir.

4... Deus não vai perguntar qual foi o seu maior salário. Ele vai perguntar se você comprometeu o seu caráter para obtê-lo.

5... Deus não vai perguntar qual era o nome do seu trabalho. Ele vai perguntar se você fez o seu trabalho da melhor maneira possível.

6... Deus não vai perguntar quantos amigos você teve. Ele vai perguntar de quantas pessoas você era amigo.

7... Deus não vai perguntar em que bairro você vivia. Ele vai perguntar como você tratou os seus vizinhos.

8... Deus não vai perguntar sobre a cor da sua pele. Ele vai perguntar sobre o conteúdo do seu caráter.

9... Deus não vai perguntar por que você levou tanto tempo para procurar a Salvação. Ele irá amavelmente levar você para a sua mansão no céu, e não para os portões do Inferno.

10... Deus não vai precisar perguntar para quantas pessoas você enviou esta mensagem. Ele já sabe a sua decisão.

Eu recebi isto de alguém que pensa. Eu sou um 'guardião', assim eu enviei-a para as pessoas. Eu penso da mesma maneira... Agora é a sua vez de enviar isto para aquelas pessoas que são 'guardiães‘ na sua vida. Bons amigos são como as estrelas... você nem sempre as vê, mas você sabe que elas sempre estão lá. Mantenha-os por perto! “

Graças a Deus, como eu não enviei a mensagem para ninguém, Deus não vai me perguntar sobre isto. Eu só consideraria uma pergunta a mais, se o entrevistado fosse um candidato, talvez a Mamãe Juju.

Antes disto, para os eleitores entenderem a pergunta, eu transcrevo um bom texto do Zé Roberto, que agora está dando uma melhorada no Blog do Poeta, em sua Tribuna Livre (de jumentinhas e cabritinhas):

“TRIBUNA LIVRE: JOSÉ ROBERTO PROCURA...

EU PROCURO!

O filósofo e sábio grego Diógenes acendeu uma lanterna, em plena luz do dia e saiu pelas ruas de Atenas. Alguém o questionou: “Diógenes que estás a fazer com esta lanterna acesa já que estamos com o sol a pino?

Resposta do sábio: “Eu procuro um homem de CARÁTER.

Estamos há 18 meses das eleições municipais de Bom Conselho e alguns pré-candidatos(as) já estão se apresentando. São bons nomes e todos querendo o nosso desenvolvimento. O que me preocupa é o fenômeno da CADEIRA ABAÇAÍ, a cadeira do gestor municipal. Na grande maioria quem senta naquela cadeira muda o comportamento, muda as atitudes, esquecem os companheiros (as), esquecem os partidos e governa apenas para si, alguns amigos e agentes financiadores da sua campanha. Infelizmente campanha política em Bom Conselho se faz a base de muita cachaça, carros carregando o povo como se fossem gado e um pseudo plano de governo apenas para maquiar o discurso.

Eu procuro um candidato(a) que dê continuidade as obras da administração anterior (um exemplo marcante é a ponte que liga a COHAB ao centro de Bom Conselho que nunca foi concluída);

Eu procuro um candidato(a) onde todos as diretorias das escolas municipais sejam eleitas pelos alunos e funcionários daquela escola;

Eu procuro um candidato(a) que faça um governo itinerante visitando com secretários e vereadores há cada mês um distrito do Município;

Eu procuro um candidato(a) que tenha coragem cívica para que pelo menos uma vez no mês, vá até a Câmara Municipal explicar ao povo o que foi feito no mês anterior;

Eu procuro um candidato(a) que faça realmente um governo participativo onde todas as obras sejam feitas de acordo com o povo;

Eu procuro um candidato(a) que crie uma sub-prefeitura em cada distrito descentralizando a administração;

Eu procuro um candidato (a) que tenha preocupação básica com nossa educação, cultura e valorize nossos artistas e artesãos;

Eu procuro um candidato(a) que priorize as indicações dos vereadores de maneira clara e transparente;

Eu procuro um candidato(a) que faça um grande pacto social entre os proprietários de terras e o pequeno agricultura transformando nosso município auto-sustentável em agricultura.

Eu procuro um candidato(a) que tenha preocupação com o meio ambiente.

Eu procuro um candidato(a) que não dependa apenas dos governos Federal e Estadual para trabalhar.

Eu procuro um candidato(a) que diminua os cargos comissionados.

Eu procuro um candidato(a) que não corra dos debates nas emissoras locais durante a campanha eleitoral. Debate frente a frente e que o povo escolha o melhor.

Eu procuro um candidato(a) que evidentemente tenha um plano de governo de acordo com nossa realidade. Este candidato(a) com certeza terá não só o meu apoio como o apoio da nossa sociedade. Por enquanto estou igual ao filosofo Diógenes.

Em tempo Abaçaí na língua Tupy significa: “Objeto que tem espírito maligno.”

Agora voltemos com a última pergunta, agora já compreensível para maioria dos mortais:

11... Deus não vai perguntar quantos anos você passou na prefeitura ou na Casa de Dantas Barreto. Ele vai perguntar se você se comportou como o candidato que o Zé Roberto procura.

Eu, como candidata potencial a vereadora, não teria como responder afirmativamente a esta pergunta a Deus, seria inferno direto. Não sei a prefeita nem o próprio Zé Roberto, se for candidato o fariam. Arriscaria até a dizer que o quem Zé Roberto está procurando, não é gente, é um Santo. Vejam bem, eu disse um Santo. Pois nem mesmo o Beato Miguezim, de Brogodó, diria sim a esta pergunta divina.

Lucinha Peixoto

Um comentário:

Afonso Didier disse...

Com o maior respeito e abnegação que a executiva cidadã merece, mas isso é para quem não tem o que fazer. Ou quem sabe, administrar!!!!!!!!!!