quarta-feira, 8 de junho de 2011

AS VIRTUDES CARDEAIS (ou A Volta ao Catecismo III)



Depois de passar pelo vexame ter que provar que eu existo, e tendo tido êxito, pois o meu texto foi lido por mais de 200 pessoas, levei um beliscão do Diretor Presidente, e Felipe, o meu menino, ter recebido um pacote com um pedaço da minha saia, acreditou na minha existência, mesmo querendo, inicialmente um pedaço da minha orelha, volto agora ao que faço melhor que é ensinar o catecismo, por inspiração de um grande texto religioso da Ana Luna.

Por falar em Ana Luna, mesmo ela tendo pedido perdão indiretamente ao Ronaldo através daquele texto, a enquete da AGD, mostrou quanto eu estava certa, se realmente a enquete representa o povo. Pois todos sabem que a voz do povo é a voz de Deus. Dos 56 votantes foram 41 (73,41%) que votaram “sim”, dizendo a ela, peça perdão, 11 (19,64%) disseram “não”, dizendo a ela não peça, sendo identificado entre os votos, por ele mesmo, o Beto Paz, enquanto apenas 4 (7,11%) fizeram como o Lula no mensalão e a Dilma no caso Palocci, disseram que não sabiam.

Mas deixemos estes assuntos mundanos de lado e vamos ao catecismo, lembrando sempre que o que está em preto é catecismo puro enquanto o que está em vermelho é por mim escrito.

A Virtude da Força

Já podemos perceber como nossa vida vai depender da presença das virtudes em nossa alma. A vida do católico deve ser um exemplo de fidelidade à lei de Deus, aos seus mandamentos, à natureza humana, com todas as suas riquezas, mas também com todas as suas exigências. Muitas vezes parecerá difícil a realização dos nossos deveres para com Deus, para consigo mesmo e para com o próximo. Para que nós tivéssemos mais ânimo neste combate do dia a dia, Deus Nosso Senhor nos deu a virtude da Força. Vejam que a força é que nos permite enfrentar mesmo nossas autoridades eclesiásticas para mantermos nossa natureza humana e vivermos sob luz do evangelho. Então, muitas vezes, que nos sentirmos só, rodeados de algozes, hipócritas e prepotentes, é a virtude da força que nos salva.

A Força é a virtude que dá à nossa vontade a energia necessária para vencer os obstáculos que nos atrapalham na prática do bem. Assim, mesmo que alguém diga que não passamos de simples alucinação coletiva, como o fez o Felipe, meu menino, deveremos rezar e seguir sempre na prática do bem. Devemos resistir, quer dizer, permanecer firmes na Fé, apesar dos ataques dos nossos inimigos e das nossas fraquezas pessoais. Devemos agir; ter Força é manifestar espírito de iniciativa, alegria na realização do dever de estado, perseverança no combate contra nossas paixões: o orgulho, o egoísmo, a raiva, a sensualidade, etc. Praticando os atos da virtude de Força, conseguiremos, com a graça de Deus, vencer as tentações, fugir dos pecados e das ocasiões de pecado que nos chamam com tanta força para o mal. Eu não gostaria de citar nomes nestas aulas, mas exemplos são sempre bons para ilustrar e abrir as mentes dos fiéis que nos lêem. Quando o Felipe, meu menino, quis nos atingir, premido por paixões políticas, até compreensíveis, pois eram pelo bem de sua mainha, ele deveria ter usado a força de sua fé, para evitar este ato de egoísmo, de raiva e de orgulho. Eu compreendo que a formação religiosa de hoje é um pouco fraca nas nossas escolas e os pais não fazem o reforço necessário. Por isso eu perdoa e sempre rezo pelo Felipe, meu menino, encontrar a virtude da força.

Vejamos alguns exemplos: na hora de estudar, sentimos aquela vontade de ir ver televisão... Sem a virtude da Força, cederemos à tentação e faltaremos ao nosso dever de estudar. Na escola, uma amiga ou um amigo virá nos mostrar uma revista cheia de figuras indecentes... A virtude da Força nos ajudará a não querer olhar. A toda hora precisamos dela: para trabalhar, para rezar com devoção e piedade, para estudar, para ajudar ao próximo, etc. É aquilo que sempre eu disse, sem a virtude da força sempre tudo fica mais difícil. Eu mesma, certas horas, não a possuo o suficiente e não me refreio em comentar certos tópicos do Blog do Roberto Almeida, e até, põe fraqueza nisso, vou ao Blog Chumbo Grosso, correndo o risco de encontrar lá postagens cheias de figuras indecentes. Até agora só estou conseguindo não ir no sábado. Preciso exercitar a virtude da força, e aconselho a todos a o fazerem. Por exemplo, rezo todos os dias para os petistas se refrearem na verdadeira compulsão que tem de ficar ricos a qualquer custo. Contenham-se irmãos, em Cristo.

Os pecados contra a Força

Os pecados e vícios contra a virtude da Força se manifestam em nós do seguinte modo:

.Acanhamento ou pusilanimidade - quando a pessoa não se decide a fazer o que deve, fica sempre na dúvida: é certo ou errado, devo fazer assim ou de outro modo, e acaba não fazendo o que deve. O caso mais exemplar hoje é o do Palocci. E haja pusilanimidade num homem! Mesmo dizendo que quer dizer tudo, não diz nada. É a fraqueza em estado puro.

.Covardia - quando a pessoa foge da sua obrigação por medo. Querem um exemplo. Abram os jornais, revistas, ou melhor, leiam o Blog da CIT, e veja o comportamento de nossa presidenta em relação a tudo. Sua indecisão merece figurar em todos os catecismos como exemplo deste pecado contra a virtude da força, junto com o de São Pedro, que pecou, negando até sua amizade com Jesus.

.Respeito humano - é uma espécie de covardia que nos leva a não agir corretamente por medo das zombarias. Eu não concordo com o termo empregado pelo catequista, para este pecado. Eu chamaria isto de medo de ser o que é. Penso que este pecado é incentivado pelas pessoas que tem um poder qualquer e ameaçam os outros dizendo que não faça as coisas, partindo de puro preconceito ou mesmo por está enganada. Nada me faz desacreditar que o medo quase traumático das pessoas de Bom Conselho de escreverem mais em blogs, murais, comentários e em outros lugares, é o medo que tem de alguém dizer prá eles que eles devem ir aos sites de português aprender a língua. Estas pessoas ditas letradas, apenas querem exercer um poder que sua boa nascença lhe concedeu. Por isso eu proclamo e ensino: escrevam como vocês sabem e tentem aprender o que podem para escrever melhor. Eu mesma faço isto, para não pecar contra a virtude da força.

.Temeridade - quando uma pessoa se expõe sem necessidade ao perigo e à morte (falsa coragem). Em outras palavras, ser burro é um pecado contra a virtude da força, mesmo que este animal a tenha. Ele apenas a usa mal, pois normalmente é conduzido pelos homens que pecam em qualquer condução. Aos menos linguisticamente informados, mas que sempre querem me crucificar, eu digo que o termo “temeridade” não vem de Michel Temer.

[não percam a próxima aula sobre a Virtude da Temperança. Para os totalmente sem noção, não será uma aula de culinária. Vários exemplos virão da quedo do Palocci. Até que enfim. Deus me perdoe.]

Lucinha Peixoto

Um comentário:

Altamir Pinheiro disse...

LOGO APÓS FELIPE ALAPENHA, “O MEU MENINO”, AFIRMAR QUE A LUCINHA PEIXOTO NÃO EXISTIA, TALVEZ SUA BONDOSA ALMA VIVESSE A VAGAR NA IMENSIDÃO DO UNIVERSO, EIS ELA RESSUSCITADA. SÓ QUE, EMPUNHANDO A BANDEIRA DO DIVINO, LUCINHA VOLTOU MAIS BRANDA(PELO MENOS EU ACHEI), MAIS LIGHT, COM UMA MAIOR MALEMOLÊNCIA, ALTAMENTE SUAVIZADA. MESMO ASSIM, SEM DÁ TRÉGUAS NEM PERDOAR A DEVASSIDÃO E A LIBERTINAGEM DO CHUMBO GROSSO, AOS SÁBADOS. PORÉM, O DEPRAVADO DO ADMINISTRADOR DO BLOG FICA RADIANTE QUANDO A LUCINHA TOCA NO ASSUNTO. HAJA VISTA, SUA FORÇA E CREDIBILIDADE DAS QUAIS ELA É POSSUIDORA E, ATIÇA A CURIOSIDADE DA GALERA E O IBOPE DAS MULHERES NUAS AOS SÁBADO NO CHUMBO VAI LÁ PRA CIMA, É DE SUBIR AS PAREDES... UMA LOUCURA... FUERZA PALOCCI, DIGO MELHOR, LUCINHA!!!