quarta-feira, 8 de junho de 2011

A presidenta agora tem uma gerenta



Já era mais do que esperado. O Palocci caiu fora. Mas, “não está tudo como dantes no quartel d’Abrantes”, que hoje é Brasília e que foi conquistado pelo lulo/petismo/peemedebismo.

A frase acima, na afirmativa, surgiu no início do século 19, com a invasão de Napoleão Bonaparte à Península Ibérica. Portugal foi tomado pelas forças francesas, porque havia demorado a obedecer ao Bloqueio Continental, imposto por Napoleão, que obrigava o fechamento dos portos a qualquer navio inglês. Em 1807, uma das primeiras cidades a serem invadidas pelo general Jean Androche Junot, braço-direito de Napoleão, foi Abrantes, a 152 quilômetros de Lisboa, na margem do rio Tejo. Lá instalou seu quartel-general e, meses depois, se fez nomear duque d’Abrantes. O general encontrou o país praticamente sem governo, já que o príncipe-regente dom João VI e toda a corte portuguesa haviam fugido para o Brasil. Durante a invasão, ninguém em Portugal ousou se opor ao duque. A tranquilidade com que ele se mantinha no poder provocou o dito irônico. A quem perguntasse como iam as coisas, a resposta era sempre a mesma: “Esta tudo como dantes no quartel d’Abrantes”. Até hoje se usa a frase para indicar que nada mudou (Quase todo o parágrafo, da internet, mas é verdade).

A frase que vige hoje em Brasília é a do primeiro parágrafo. Segundo a Dilma, o ministério agora será mais técnico. Chamou para o cargo do ministro trapalhão, uma bela e desconhecida senhora, que diz ser “gestora”. Ou seja, agora a presidenta tem uma gerenta.

Hoje já se fala também que era certa a pergunta que se fazia durante a campanha, que o poste, como gerenta, nunca funcionou bem. Grande parte do que foi feito enquanto ela estava com “força” no governo Lula, não passava de uma campanha estendida, por parte do meu conterrâneo, que sempre viu longe, e eu juro, já tinha visto o Palocci, embora talvez não soubesse que ele já estava tão rico.

Agora, vamos ter uma gerenta na Casa Civil. Dizem que ela é religiosa e conservadora, o que deve agradar a Lucinha Peixoto, embora eu pense que precisamos mais de eficiência mundana no governo do que de proteção divina ou as duas juntas. Ela diz também que é uma dona de casa que passa, cozinha, cuida dos filhos e é uma tocadora de obras. Nossa colega da CIT, ouvindo-a, já teria um discurso incrível para continuar sua campanha de vereadora em Bom Conselho.

O que eu posso dizer, depois desta ressaca causada pelo porre palocciano que toda imprensa tomou nestes últimos dias, é que o governo está precisando é de uma presidenta e não de uma gerenta. Isto foi provado o número de vezes que a presidenta chamou o Lula para resolver problemas, que apesar de terem sido criados por ele, agora são dela.

E ainda continuamos com o terceiro mandato do Lula. Este foi o acordo feito há pelo menos dois anos atrás. E parece que estou vendo o papa, enquanto a Marisa servia uns acepipes nos jardins do palácio:

- Dilma, não tem jeito. Vou ter que sair. Não tenho a cara de pau do Chavez para propor uma mudança constitucional para ficar. Então você vai ser minha salvação.

- Como Lula? Com o PAC 2?

- Também, Dilma. Mais eu já falei com o Palocci e ele já está arrebanhando fundos com os empresários através daquela empresa dele, que eu nunca vi tão lucrativa. Ele trabalha 2 horas nas sextas-feiras, e ganha mais do que eu em um ano. Mas, ele já está fazendo um fundo para sua campanha, e você vai ficar lá, esperando por mim, até 2014, mas, eu, como Jesus sempre estarei entre vocês.

- Mas Lula, você sabe que eu não levo jeito nem prá gerente, quanto mais para presidente!

- Presidenta, Dilma, presidenta! Você vai ser presidenta. A patuleia gosta mesmo é de novidade. Não se incomode que eu lhe ensinarei a vencer as eleições e também a você governar. É fácil. Basta não brigar com o PMDB. O PT, eu domino, não tem problema.

- Tá certo, Lula já que você acha assim!

Anos depois está ai a presidenta nomeando uma gerenta e o Lula ainda dando as cartas. Ele só não esperava era que Palocci fosse tão burro ao ponto de contar para Zé Dirceu e para o Genoíno, que estava podre de rico. E ninguém imaginava também que meu conterrâneo também estivesse ganhando mais por hora do que a empresa do Palocci dando palestras para a LG.

Agora vai mudar muita coisa. No ministério temos até um casal. É o Casal 13: Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo. Tudo combinado com Lula para empanar o brilho do Casal 15: O Temer e a Marcella. Pelo menos, eu me consolo de citar o nome de duas belas mulheres. Pensando em Lucinha Peixoto, por este ângulo, espero que dê certo.

Zezinho de Caetés

Um comentário:

Altamir Pinheiro disse...

APROVEITANDO A DEIXA DA CÉLEBRE FRASE, “não está tudo como dantes no quartel d’Abrantes”. JÁ ESCREVEU O FILÓSOFO BERNARDO VICCO QUE: “A HISTÓRIA SEMPRE SE REPETE… EM FORMA DE FARSA”… JAMES JOYCE, USOU ESSE “MOTE” PARA ESCREVER O SEU FAMOSO LIVRO “FINNEGANS WAKE”(VÍGÍLIA FINNEGANS). LIVRO ALIÁS, POUCO LIDO. QUER DIZER, SE A HISTÓRIA SE REPETE, FAZER O QUÊ… POR ISSO, DESDE 2002 QUANDO OS SEBOSOS CHEGARAM AO PODER, NO CAMPO ÉTICO, FICA DIFÍCIL GENTE HONESTA APOIAR UM GOVERNO PETISTA E MUITO MENOS FAZER PARTE DO PT. QUANTO AS BONITAS... E LOIRAS DE FARMÁCIA...