terça-feira, 5 de julho de 2011

O Blog da CIT acabou



Mais um vez o Felipe Alapenha, usando de seu inimputabilidade adquirida pelo seu título de príncipe consorte, filho de sua majestade a prefeita, nos força a reunir outra vez. Sua insistência em que não existimos chega a ser patética. Se ele pretendia nos chatear com sua pretensa descoberta, segundo ele com as melhores intenções, de que não existimos, a não ser na cabeça do Zé Carlos, ele conseguiu.

Minha decisão particular e intransferível eu já tomei. Pedi o boné e estou saindo. Chega de achincalhe, deboche e ironia com pessoas que sempre tentaram fazer Bom Conselho mais informado e feliz. Mesmo que para isto tivesse que discordar de pessoas que sempre se julgaram donas da verdade, como se julgava o Coronel Zé Abílio em tempos idos.

Eu hoje deixo o Blog da CIT e o entrego com senhas e tudo ao Zé Carlos, se ele o quiser. Se não quiser o feche e jogue as chaves no Rio Capibaribe ou no Riacho Papacacinha onde já passei tanto, e ainda passarei, por muitos anos se Deus quiser. Mas, o Blog da CIT não é só um conjunto de sinais virtuais que aparecia todos os dias nos computadores de cada um. Ele é também um conjunto de pessoas que trabalhou muito, e com prazer, para melhorar a vida do nosso povo.

O que este povo vai fazer eu não sei. Eles são cidadãos livres, que acertaram e erraram nestes últimos 3 anos, mas sempre com a intenção de acertar e cumprir o que nos propomos desde o início, informar nossa terra com humor. Não somos ingênuos de pensar que sempre teríamos o apoio de todos. Já brigamos muito. Aquela briga de justos. Onde cada um com sua verdade procurava discordar sem ofensas. Penso que conseguimos. Hoje fui olhar o nosso reloginho defasado, pois já parou duas vezes e ele estava com mais de 95.000 acessos. Temos certeza que foram muito mais de 100.000. Isto nos orgulha a todos.

Mas, agora diante da constatação feita pelo Felipe Alapenha de que não existimos, fica muita difícil continuar. Muita gente em Bom Conselho sabe quem eu sou, e sabendo, sabe que não sou o Zé Carlos, embora tivesse até orgulho em sê-lo. E fica entre nós quem sou eu. Esta minha decisão será mais esclarecida depois que vocês lerem a transcrição, ou pelo menos um resumo dela (e aqui fica aberto para os participantes o corrigirem se se acharem injustiçados em suas falas), onde nós todos resolvemos enfrentar esta nossa crise, da qual o Felipe Alapenha diria kkkkkkkkkkkkkkk, em sua forma irônica como se expressou ontem a nosso respeito. Bom Conselho, se acreditar nele, merece tê-lo como prefeito.

-------

Resumo da Reunião

Participaram da reunião na manhã do dia 05.07.2011 as seguintes pessoas (Apenas eu me mantive com pseudônimo, pois o Zezinho de Caetés, não sendo ele de Bom Conselho, não quis mais manter o dele): Diretor Presidente (DP), Lucinha Peixoto(LP), Zé Carlos(ZC), José Andando de Costas (Zezinho de Caetés)(JAC), Jameson Pinheiro(JP), Eliúde Villela(EV) e Sandoval Brito(SB).

- DP: Meus senhores, hoje para mim é um dia triste...

- LP: E senhoras, faz favor,...

-DP: Tá bom Lucinha, meus senhores e senhoras, hoje para mim é um dia triste. Eu só não vou dizer que “saio da vida para entrar na história”, porque sempre achei isto muito dramático para o meu gosto. Diante do ato irresponsável de uma criança que disse, com a convicção dos néscios, que eu ou nós não existíamos, ficamos sem ação. Isto não se deu por aquela criança está dizendo a verdade ou não, e sim, porque grande parte do público, nele acreditou, pois ele já aprendeu com sua mãe que é isto que importa. Se o povo acredita que alguém é pai dos pobres, não pede nem DNA, vai logo votando. O problema se depois o povo vai pró brejo, é questão a ser decidida depois. Mas, estamos aqui reunidos para todos expressarem seus sentimentos e proporem decisões.

- LP: Foi realmente um fato lamentável o que provocou o Felipe, que eu dizia meu menino, mas agora eu o rejeito pelo seu cinismo ao se manter com a mentira deslavada. Sei que ele não está só nisso. É o chamado “governo do povo”, que, ao ser descoberto em sua incompetência e inoperosidade, para resolver os problemas de Bom Conselho, tinha que atacar quem disse que o rei estava nu, e estes fomos nós, como antes tinha sido o Míster M e hoje, dentro de sua ciclotimia contumaz, o Poeta. Então por onde começou o Felipe? Aproveitou, o seu blog e disparou sem medir consequências, no anonimato do Diretor Presidente, e não ficando satisfeito inventando que não existíamos a todos. Hoje, se eu chegar na Praça Pedro II, dançar uma lambada com o Poeta, vão dizer que eu sou a Marcix, pois todos acreditam que a Lucinha Peixoto não existe. Eu sempre dizia que se “eu escrevo logo existo” agora eu digo melhor, “se eu incomodo logo existo muito mais”. Mas, isto não importa, pois até os amigos não acreditam ou ficam em dúvidas, porque o Felipe é filho da Mamãe Juju e consegue casar e batizar dentro da prefeitura.

O que fico muito triste é que, comprovadamente, eu acreditei na Judith, mesmo sem tê-la conhecido antes. Primeiro porque ela mulher, e isto era um avanço para uma terra onde predomina o machismo rasteiro. Segundo porque ela era esposa e mãe com eu, relações estas que quando bem controladas, só levam a aumentar o nosso poder como gênero. Infelizmente, foram estas relações que levaram a Judith a ser um fiasco como prefeita. Quando me disseram naquela época da renúncia, que seu marido estava por trás de tudo, eu não acreditei. Hoje já tenho outra ideia quando ela deixa seu filho, que já a havia comprometido no blog anterior, agora usar o seu blog para sair levantando falso testemunho horroroso. Ela falhou como mãe e já tinha falhado como prefeita. É uma pena.

Nas minhas idas aos blogs da região, encontrei uma postagem do Blog do Roberto Almeida, que sempre teve a gentileza de me publicar, onde ele falava que a Judith havia, com sua vitória, mostrado a alguém que dizia que "mulher só serve para levar chifre e pilotar fogão", que não era só isto. Não sabendo administrar bem suas relações familiares, vai ser mais difícil agora, com este seu governo, tirar este estigma de nosso gênero. Eu peço a Deus que ela, pelo menos pelas mulheres, mostre que, tendo uma formação parecida com a minha, quem manda em casa é o homem, mas no governo quem manda é ela.

-ZC: Eu é que saio mais mal deste episódio. Não sei o que fazer e me dá vontade de fazer igual àquele ministro dos governos militares, que, quando abordado ele dizia sempre: “Nada a declarar!”. Se eu disser que sou vocês todos, eu sou um mentiroso. Se eu disser que não sou, digo a verdade, mas ninguém acredita. O Felipe Alapenha ao me deixar nesta situação chegou a ser cruel. O que tenho mesmo vontade é ter trazido minha máquina e tirar uma foto desta reunião e mandar para ele, com afeto e com carinho. Mas, isto não seria ético. E nem tampouco, mesmo não sendo ético, diante daquela enrolada sobre IP, que o pessoal de Bom Conselho adora (agora, virou moda alguém ser “hackeado” na cidade). O que me resta agora é defender, com sempre o fiz, o anonimato, cada vez mais e foi por isso que saudei o Blog do Peão, como antes admirava o Míster M, que infelizmente não voltou. Mas, estou aqui mais para ouvi-los e decidirmos juntos, o que fazer.

-JP: Eu já disse que e tentei explicar dias atrás que aquele negócio de descobrir pessoas por trás de IP foi um blefe, além de ser a confissão de um crime cibernético, infelizmente ainda não previsto em nossa legislação mais perfeitamente enquadrável dentro da legislação que temos. O problema é que partir para uma ação que em nossa justiça nunca esteve em nossos planos, pois o nosso objetivo nunca foi ganhar nada com nossa atividade, e para mim nem mesmo ganhos políticos. O grande problema é convencer as pessoas do que seja um IP. Há pessoas que lêem o nosso blog e ainda usam mata-borrão para corrigir textos no computador. Eu já estou satisfeito em não existir para estas pessoas, e o que faço aqui posso fazer com o meu próprio Blog, e agora, que ninguém acredita que eu existo, vou ser um anônimo. Quem sabe eu não seja o Peão?

- DP: Amigos, eu peço que objetivemos a reunião para que todos possam falar. Zezinho, mesmo não sendo de Bom Conselho, e não esteja habituado a este comportamento de coronéis, você quer dizer alguma coisa?

- JAC: Primeiro, eu gostaria de dizer meu nome de batismo e não riam, pois foi por isso que adotei o pseudônimo, José Andando de Costas. Segundo, como acompanhei todo o caso, e o menino diz que há um estilo muito parecido da forma com vocês escrevem, disto eu tenho a culpa, pelo menos parcialmente. Quando cheguei na CIT e ainda dava minhas aulas de português, eu encontrei o pessoal daqui num torre de Babel. Cada um tinha seu estilo próprio e particular de escrever. Eu fiz ver a todos e a ideia foi aceita que, como formávamos um blog único, deveríamos unificar, não nosso discurso, mas pelo menos a maneira de exprimi-lo. Este esforço resultou num Manual, que ainda hoje deve existir em alguma gaveta por aqui. Mas, o que pensava ser uma boa coisa, está agora sendo um mal, pois pensam que todos somos o Zé Carlos, inclusive eu, que nem bom-conselhense sou. Eu adoro escrever no Blog da CIT, pois sei que sou lido em todo o Agreste Meridional, inclusive em minha própria terra, mas acato qualquer decisão que vocês tomarem. Está faltando muito professor de português na praça.

- EV: Eu também não existo, segundo o menino. Sou apenas mais um personagem de retirante. Como não venho escrevendo já há certo tempo, a não ser que algo comprometa a AGD, nada me afetará muito. O que eu proponho é deixar o dito pelo não dito e continuar em frente.

-LP: Bem se ver que a Eliúde está pairando nas nuvens distraída, novamente. Ora, se ela não escreve, existir ou não existir não é problema prá ela. O problema é conosco outros que temos uma maior responsabilidade. Eu mesmo, não me sinto mais bem escrevendo para pessoas que, por culpa do “pinoquinho”, acham que sou o Zé Carlos. Eu já não sou mais candidata em 2012, se continuar com esta loucura de política, só em 2016 volto a pensar nisto. Hoje eu não tenho mais nenhuma vontade de continuar escrevendo no Blog. Se Bom Conselho acreditou no “pinoquinho”, a cidade merece, e que faça bom proveito. Eu, como mulher, até torceria para que pelo menos a Judith acabasse bem seu governo, mas estou vendo, que depois daquela tentativa de renúncia, seu governo acabou e o menino quer negar isto no grito. Com o Poeta isto pode dar certo, comigo não.

-DP: Sandoval, quer dizer alguma coisa?

-SB: Não muita, a não ser que já estava um pouco descontente, politicamente é claro aqui no Blog. Sei que aqui nunca foi lugar de petistas como eu, mas, gosto de todos vocês que nunca se importaram com minha orientação política. Igual a Eliúde, não escrevo muito e posso fazer meu trabalho de design noutro lugar, se não der para continuar aqui.

-DP: Penso termos ouvidos todos, e eu, juntando com minha opinião, concluo que é muito difícil diante da situação continuar com o Blog da CIT, e mesmo com a CIT, que hoje se resume ao Blog. Talvez o Felipe tenha “escrito certo por linhas tortas”, igual a Deus, e penso ser a hora de cada um tomar seu rumo. Eu vou entregar todas as senhas e outros objetos ao Zé Carlos e que ele faça bom proveito. Eu apenas peço a ele para que deixe o Blog no ar para que os historiadores de nossa terra um dia saibam que nós existimos, e de uma forma ou de outra, fizemos algo por Bom Conselho. Cada um é livre para tomar seu rumo. Embora me doa o coração dizer isto...

-ZC: Eu conheço vocês todos e os admiro. É uma pena que isto ocorra assim. Prometo manter o Blog da CIT aberto a visitação pública e vou tentar tocar a A Gazeta Digital, onde todos vocês são bem-vindos. Peço ao DP que se puder faça um resumo desta reunião e que ele seja publicado como última matéria do Blog da CIT, e que eu publicarei, como a primeira matéria de uma nova fase da nossa AGD. Ao vencedor as batatas.

-LP: Espero que estejam podres....

-ZC: Além disto, apesar de saber que vocês nunca praticaram crimes nem ofenderam ninguém, e por isso eu defenderia até a morte anonimato daqueles que o querem usar, eu estou pronto para assumir diante daqueles que acreditaram nas mentiras quaisquer responsabilidades sobre o que elas até agora disseram ou fizeram.

-DP: Caro amigo Zé Carlos, nunca esperamos menos de você, e pode ficar certo que se necessidade houver disto, pode ficar tranquilo porque estaremos respondendo sempre por nossos escritos. Eu considero encerrada esta triste reunião.

Diretor Presidente

Lucinha Peixoto

Zé Carlos

Eliúde Villela

Jameson Pinheiro

Sandoval Brito

José Andando de Costas

6 comentários:

Altamir Pinheiro disse...

JÁ DIZ O DITO POPULAR QUE, “TODOS QUEREM IR PARA O CÉU, MAS NINGUÉM QUER MORRER”, MAS TUDO TEM UM FIM. JAZ AQUI, O MELHOR BLOG DO AGRESTE MERIDIONAL. VALEU, QUANTO DUROU!!!

Ilha de Pala disse...

Não sei por onde começar esse comentário só sei que preciso fazê-lo. Não vou falar de pesares. Não manifesto a palavra pêsames ou condolências, nem mesmo quando interiormente sinta profundo sentimento de tristeza. E, aqui e agora, estou triste pelo encerramento das atividades do Blog da CIT. Dos que fizeram esse Blog só conheço pessoalmente o seu fundador o Zé Carlos. O Diretor Presidente diz que foi meu colega de juventude, mas nunca consegui identificá-lo. Apesar de no início ter curiosidade em saber quem ele era nunca fiz disso uma preocupação ou ocupação. Quanto aos demais componentes que faziam o Blog da CIT só os conhecia pelos seus escritos. No meu viver aprendi a valorizar o conteúdo do que é dito e não a autoridade ou a identidade de quem diz. Também aprendi a ter próximo das minhas reflexões as manifestações que servem para o meu viver e deixar ao largo aquilo que julgo não servir para fazer parte da minha vida. Tendo em vista o que naquele Blog era manifestado, a existência real ou fictícia dos que faziam o Blog da CIT nunca teve relevância na minha apreciação. Como sou adepto do diálogo e não da polêmica nunca alimentei, nem me alimentei, daquilo que eu vislumbrava que podia servir para polemizar. Isso posto, vou sentir uma grande falta dos textos, dos diálogos e dos comentários, sérios ou jocosos, que compartilhei com todos aqueles que escreviam no Blog da CIT. Agradeço SINCERAMENTE a todos os que administravam esse Blog a generosidade pelo espaço que disponibilizaram para minhas escrevinhações. Vou sentir muita falta das jocosidades da Lucinha como senti falta dos desafios nos diálogos que tive com o Cleómenes. Fico esperançoso que um dia vou reencontrá-los, se não pessoalmente, pelo menos nas 'tecladas' que damos na vida. A VIDA CONTINUA, POR ISSO, VIVAMOS OS NOSSOS 'AQUI E AGORA'. VALEU!!!!

Lucinha Peixoto disse...

Caro Guerilheiro Altamir Pinheiro,

A CIT morreu, mas eu estou viva e fiquei lhe devendo algo a respeito da sexualidade do Che Guevara. Seja ela qual tenha sido não tira alguns dos seus méritos e nem vejo nisto ofensa, a não ser se ela for usada como argumento fora do contexto. O que me fez referir ao Che foi o seguinte texto do Reinaldo Azevedo, em seu blog do dia 28.06.2011.

“Quem conheceu bem a sensibilidade de Che Guevara foi o cineasta e escritor cubano Henrique Pineda Barnet, que documentou como ninguém os hábitos do “revolucionário”, já que atuou como professor de crianças e adultos em Sierra Maestra. Tinha muitas fotos, que sumiram misteriosamente. Che levava a sério a sua máxima de que o revolucionário tinha de se transformar numa fria máquina de matar, movida pelo ódio. Punha em prática a sua teoria quase sempre com a vítima vendada, de mãos atadas, nas costas. Não era de seu estilo matar em combate, entendem? Che gostava mesmo era da “camaradagem viril” no coração das trevas, da convivência testorônica com a macharia revolucionária. Com os companheiros, era de uma doçura invulgar. Ele entrava com a ternura. Barnet tinha isso tudo documentado. O material foi misteriosamente roubado. Um repórter amigo entrevistou o cineasta certa feita e, numa conversa informal, convidou-o a definir a relação com Che: “Era um coito permanente na selva”. Os cineastas e suas metáforas…”

Então eu pensei: Os brutus também amam, e de formas mais diversas do que tudo. Isto não o diminuiria jamais, sendo os papéis encontrados e ... Se afirmei de algum modo foi um pecado meu, e que Deus me perdoe, como perdoará você ou terá muitas indulgências por não ser um petista.

Obrigada, da parte que me toca o elogio ao nosso finado Blog da CIT.

Lucinha Peixoto (De nenhum Blog até o momento).

Lucinha Peixoto disse...

Caro Roberto Lira,

É verdade que não nos conhecemos pessoalmente. Quando você aqui esteve vindo do Sul, eu estava indo pro Sul vinda do Norte. Mas, não faltará oportunidade, já que não morri, ainda. Agora posso até escrever mais a vontade pois quem irá pró pau é o Zé Carlos (brincadeira, eu me atravessaria na frente de qualquer pau que viesse na direção dele).

Quanto à nossa mania de polemizar, que não era só minha no Blog, pois lá tem muita gente lobo com pele de cordeiro, eu compreendo sua posição pelos seus escritos, que os leio quase sempre, eu diria que o seu reino, como o de Jesus, não é deste mundo. Como eu o invejo ao vê-lo viver sem polemizar sobre temas mundanos como política, pinoquinho, mentiras e enganações, concentrando-se naquilo que realmente é essencial que é o significado de nossa existência pela terra. Infelizmente, sou muito mundana, apesar de me cuidar para que no outro mundo, quando for inquirida tenha alguma defesa para minha alma. Ao contrário do Cleómenes, certamente, e de você, com algumas ressalvas, pela beleza de ser humano que você é.

Obrigada, pela parte que me toca deste latifúndio da CIT, pelas suas gentis palavras sobre esta corja que só tenta fazer o bem, mesmo que olhando a quem. Não sei se será um prazer lhe encontrar pessoalmente, pois já vi sua foto e sei (com todo respeito Japa) que você mais “sarado” impossível, e eu mais “doente” impossível, embora esteja me cuidando pois achei a Marcix sem muita mobilidade no palco devido algumas adiposidades reninentes.

Da amiga

Lucinha Peixoto (Procurando Blog)

Altamir Pinheiro disse...

QUANDO A HIPOCRISIA COMEÇA A SER DE QUALIDADE MUITO RUIM OU DUVIDOSA, É HORA DE COMEÇAR A DIZER A VERDADE. ATÉ PORQUE, ROBIN HOOD ROUBAVA DOS RICOS E DAVA PARA OS POBRES. DIZEM AS MÁS LÍNGUAS QUE, ALÉM DE LADRÃO, ERA VIADO!!! DURMA-SE COM UMA SINFONIA DE PARDAL DESSA...

capherculano disse...

É o samba do crioulo doido...o príncipe do figo bichado faz mais uma vítima, primeiro foi o poeta, que de inquisidor e imparcial, virou um fio de seda com o governo do povo...aí tem...agora é a doce Lucinha, dona de palavras sabidas e de inteligência desproporcional a realidade bonconselhense se rende aos mandos e desmandos do delegado Batoré, sim pois pra mim o "dotozinho" mais parece com o medroso delegado Batoré, que se faz valer da posição, do que com o pertubado Timotinho.
Lucinha, minha acuçena, não passe recibo...Batoré não vale tanto sacrifício....a luta não dura mais um ano e pode até ser que daqui a dois anos, esteja ele se valendo do anonimato para expressar a opinião tão contumaz contra o novo governante...Ah, esses moralistas... Não há nada que empeste mais do que um desinfetante!Mário Quintana